Ella e Caitlin têm apenas 9 e 7 anos, respectivamente. Mas a consciência ambiental já é maior do que a de muitos adultos. É delas um abaixo-assinado que pede a empresas de fast food para pararem de distribuir brinquedos plásticos.

A venda casada de lanches minúsculos com brinquedos “surpresas” atraem crianças de todo o mundo. Por mais simples e até sem graça que sejam (para os adultos, é claro), é um chamariz eficaz. Duas das grandes redes que seguem este modelo são o Burger King e o McDonald’s e é para elas que as duas meninas inglesas endereçam a petição online. 

“Estamos aprendendo tudo sobre o meio ambiente na escola e o problema do plástico. Ficamos muito tristes ao ver como o plástico prejudica a vida selvagem e polui o oceano, e queremos mudar isso”, diz um trecho da carta. “Colocamos um cartaz na janela da nossa casa sobre salvar o planeta e tentamos reciclar o máximo que podemos. Mas queremos fazer mais, e é por isso que começamos essa petição”. 

O texto termina com um apelo para que os internautas assinem a petição e enfatiza: “Não é suficiente fazer brinquedos de plásticos recicláveis ​​- empresas grandes e ricas não devem fabricar brinquedos de plástico”. E ponto final.

Com quase 400 mil assinaturas, as garotas já conseguiram chamar atenção do McDonald’s, que afirmou “compromisso em reduzir o plástico”.

Garoto escreve carta ao McDonald’s

Também um garoto do Reino Unido, Jacob Douglas, de apenas oito anos, escreveu uma carta aberta ao McDonald’s lembrando que o plástico está afetando o mundo ao nosso redor e matando muitos animais.

Tanto no caso das meninas quanto neste, o McDonald’s respondeu falando sobre os planos de investir em novos brinquedos: livros, bichos de pelúcia e jogos de tabuleiro.