Jovens de 17 e 18 anos de Guaraqueçaba, município com cerca de 8 mil habitantes no litoral norte do Paraná, puderam aprender mais sobre a conservação da biodiversidade e as oportunidades de desenvolvimento local. As aulas aconteceram em junho e fazem parte do projeto Escola de Conservação da Natureza, desenvolvido pela Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental (SPVS), com apoio da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza. Os 35 alunos aprenderam gratuitamente, com especialistas de diferentes áreas, sobre temas como características de fauna e flora do bioma Mata Atlântica, planejamento de vida e empreendedorismo regional baseado na conservação da biodiversidade.

“A Escola pretende mostrar que a conservação da natureza é também uma oportunidade de desenvolvimento pessoal e profissional”, diz Solange Latenek, coordenadora técnica do projeto. “Sensibilizando estes jovens, eles se tornam multiplicadores de atitudes mais conscientes”, completa. O município de Guaraqueçaba está inserido no maior remanescente contínuo do bioma Mata Atlântica e abriga mais de 282 mil hectares de áreas protegidas. Por seu imenso patrimônio natural, o município já foi eleito um dos melhores locais do país para observação de aves e uma das regiões com maior potencial para atividades de turismo e lazer relacionadas à natureza.

Para Ricardo Borges, professor da Escola de Conservação, “a maioria dos jovens entende a importância e valoriza a natureza conservada da região onde vive, entretanto tem dificuldades em enxergar oportunidades de se manter no município”. Para isso, ele explica que “o projeto busca também mostrar que eles podem ser cientistas, pesquisadores e, até mesmo, empreendedores, no local onde vivem e que valorizam”, acrescenta.

Desenvolvimento e patrimônio natural da região

“Por morar em um lugar privilegiado como Guaraqueçaba, eu sempre mantive contato com a natureza”, conta Arthur Mendes Lucas, de 17 anos, aluno da Escola.  “Mas o que mais mudou na minha vida após participar do projeto foi descobrir que o desenvolvimento pode andar de mãos dadas com a conservação da natureza. A Escola me mostrou que o maior desenvolvimento de um município é conservar a natureza”, diz. As aulas da Escola de Conservação aconteceram no Centro Social Marista de Guaraqueçaba e na Reserva Natural Salto Morato, contando também com o apoio da Prefeitura Municipal de Guaraqueçaba. Além dos encontros do projeto, os participantes são incentivados a praticar, pesquisar e exercitar os conhecimentos.

O projeto atua em diferentes municípios que abrigam áreas importantes de Mata Atlântica preservada. Em 2017, a primeira turma da Escola de Conservação da Natureza formou 46 jovens de Antonina, moradores do entorno das reservas naturais administradas pela SPVS no município. Hoje, alguns deles estudam e trabalham em atividades ligadas à conservação.