dia do indio
Foto: Tânia Rêgo | Agência Brasil

De 6 a 20 de abril, mês em que a cultura e diversidade indígena é evidenciada, a programação do Sesc Santo Amaro divulga uma série de vídeos gravados com conteúdos especiais, produzidos a partir da visão de lideranças Guarani e subgrupo Mbya. A proposta consiste em resgatar o modo de viver em comunidade dos seus indivíduos, a importância da demarcação de terras e a garantia, não só da existência objetiva, como também uma subjetividade ligada às tradições e continuidade de sua cultura.

O subgrupo indígena Guarani Mbya faz parte do grupo Guarani, que habita algumas partes da região meridional da América do Sul, localizados em determinadas áreas do Brasil, Paraguai, Argentina e Uruguai. Em São Paulo, as terras nativas dos Mbya estão situadas principalmente nas faixas litorâneas, como Ubatuba, Mongaguá, ao norte e ao sul da capital, especificamente na região do Pico do Jaraguá e de Parelheiros.

São três exibições sempre às terças-feiras, às 12h; a primeira, Histórias Guarani Mbya, foi publicada no dia 6, expõe ao público uma visão sistêmica sobre as peculiaridades desse grupo, suas tradições passadas de geração a geração e as concepções de mundo por meio da fala de um integrante da aldeia. Com Timóteo da Silva Verá Popygua, coordenador da Comissão Guarani Yvyrupa e Cacique da aldeia Guarani Takuari, localizada na região do Vale do Ribeira em Eldorado – SP. Ele também é o autor do livro “Yvyrupa: a terra uma Só” (Ed. Hedra, 2017). 

Em “Mulheres indígenas mudando a história de TI Temondé Porã”, divulgada no último dia 13, as experiências de vida em comunidades lideradas por mulheres são retratadas pela ótica feminina, com o objetivo de ampliar a visibilidade destas e apresentar novas formas de organização e articulação nas aldeias. Com Jerá Guarani, liderança Guarani Mbya das Terras Indígenas Tenondé Porã localizadas em Parelheiros e Marsilac, no extremo sul da cidade de São Paulo – SP. Há mais de dez anos, Jerá luta pela demarcação de terras e resgate das tradições de seu povo, sendo reconhecida pelo seu protagonismo e resistência.

Na próxima terça-feira (20), é a vez de “Agricultura Tradicional Guarani Mbya”, que encerra esta série de três exibições virtuais. Baseada na preservação de reservas florestais e o cuidado com a natureza, o material audiovisual é um recorte sobre as culturas tradicionais agrícolas que vem sendo resgatadas ao longo dos anos, somadas aos recentes conhecimentos e avanços na produção de alimentos adquiridos pelos índios Guarani. Com Sérgio Popygua, integrante da comunidade Guarani Mbya, que fica na aldeia e terra indígena Aguapeú, localizada em Mongaguá – SP. 

Fique ligado que o último vídeo será postado no Youtube do Sesc Santo Amaro dia 20 de abril às 12h. A classificação é livre para todos os públicos.

O cultivo milenar do milho | Foto: Tekoa Kelipety / TI Temondé Porã

Sesc Santo Amaro

A unidade permanece fechada e com as atividades presenciais suspensas como medida de contenção ao avanço do Coronavírus (COVID-19), de acordo com as orientações do poder público na fase emergencial do Plano São Paulo instituído pelo Governo do Estado. A retomada gradual de alguns serviços, quando oportunizada, ocorre por meio de agendamento no site do Sesc, observadas as orientações para o distanciamento social, seguindo os protocolos de saúde recomendados por autoridades competentes.