Em meio a um cenário nacional e internacional em constantes mudanças, desafios e incertezas, o que podemos fazer para nos energizar e termos nossos atos e projetos como motivadores de transformação?

Dois grandes nomes da Biomimética e da Visão Sistêmica se unem para um curso inédito sobre como a natureza pode ensinar para as demandas da nova economia. Afinal o que pode ser a nova economia? Vamos trazer visões integrais de capitais e como a natureza pode criar inovação e transformação sendo mentora de processos.

O que é biomimética?

A Biomimética ou a Inovação inspirada na Natureza significa criar a partir do reconhecimento da genialidade da natureza. É uma ciência que estuda como a natureza desempenha uma grande quantidade de estratégias que os seres vivos usam para sobreviver e reproduzir neste lindo planeta vivo, com a finalidade de gerar inovação em design, produtos, negócios e processos em várias áreas do conhecimento.

Se abrir para esse novo olhar e ser capaz de (re)conhecer essas diversas estratégias toca o modelo mental que a Visão Sistêmica vem nos mostrar: a interconexão, onde todas as formas vivas e não vivas neste planeta são interdependentes, mudam constantemente, surgem continuamente e retornam à fonte primordial.

São 3.8 Bilhões de anos de vida na Terra evoluindo. O que podemos esperar com a Biomimética e a Visão Sistêmica? Novas lentes para observar os seres vivos e uma visão de mundo que reconhece as características primárias da Terra, onde vida gera mais vida. Afinal, todos possuem estratégias e mecanismos de sucesso para viver. Não é a toa que a Biomimética está entre as 5 maiores tendências em inovação, de acordo com a revista Forbes. O que essas ciências têm de tão impactante que podem transformar empresas, serviços e produtos? Por que observar a natureza pode ser uma fonte inesgotável de ideias para projetos de sucesso? Como reconhecer os padrões de fenômenos da Natureza podem se tornar valores para novas relações?

Inspiração no Cerrado

Neste curso vamos trabalhar em um formato imersivo ao longo de três dias no santuário da Aldeia Multiétnica, espaço que ancora uma diversidade de cosmovisões dos povos originários da Terra. Em meio ao cerrado, a savana brasileira, localizado na magia da Chapada dos Veadeiros – GO.

Com embasamento teórico e exercícios de prototipagens que trarão os elementos essenciais da Biomimética, os Princípios da Vida e do Biomimicry Thinking, Visão Integral e Educação Sistêmica.

Serão experiências que irão  promover a aprendizagem por meio do sentir e os participantes terão a oportunidade de viver o despertar da interconexão para uma mudança de suas relações com a vida como um todo. E levar este novos conhecimentos para sua vida pessoal, seus projetos e seus trabalhos.

Instrutoras

Alessandra Araujo – Designer de Inovação em empresas e projetos educacionais através de processos de co-criação com biomimética. Elaboração de diagnósticos e programas de inovação tendo as estratégias na natureza como ciência e inspiração. Profissional de Biomimética, pelo Biomimicry 3.8 desde 2012. Responsável por gestão de projetos e de sustentabilidade da GCP Arquitetura & Urbanismo por 14 anos.  Realizou curso de Urbanismo Sustentável na Schumacher College – Inglaterra e Gestão Responsável para a Sustentabilidade pela Fundação Dom Cabral – Brasil. Atual mestranda em Master of Science in Biomimicry pela Arizona State University (ASU). Experiência profissional em gestão de projetos nos setores de varejo, telecomunicações e sustentabilidade. Experiência no desenvolvimento de diagnósticos sociais e ambientais para áreas públicas, privadas no Brasil e exterior. Participação como autora de boas práticas para o CBCS – Conselho Brasileiro para Construção Sustentável. Professora de Biomimética da AA (Architectural Association – Londres) Amazon Visiting School, na Echos Escola de Design Thinking, Escola de Botânica e para o Master Ecological Design Thinking da Schumacher College na Inglaterra. Mentora para equipes de projetos com bioinspiração para o Biomimicry Design Challenge.  Fundadora do bio-inspirations. Mais: http://www.bio-inspirations.com

Mônica Passarinho – Bióloga pela UnB, Permacultora, educadora para sustentabilidade com foco em aprendizagens com a natureza e processos participativos. Dentre suas experiências está a contribuição para o currículo de Green Studies da Green School em Bali, Indonésia e para a concepção da Abordagem Educativa da Escola da Toca e do Toca Experiências, com diversos cursos já ministrados em parceria nas áreas de educação, permacultura, agroflorestas e alimentação consciente. Com a oportunidade de mediar reflexões entre grandes nomes como Fritjof Capra, Marsha Hanzi, Peo (Maria Amélia), Miguel Altieri, Bela Gil, Rita Mendonça, Marcelo Rosenbaum. Teve o início de suas práticas no Ipoema, Instituto de Permacultura em Brasília. Entre seus estudos e formações está a Certificação MetaIntegral, Sociocracia, Permaculture: Design Course e a formação de consultores., Líderes Facilitadores com base Antroposófica pela Adigo, u.lab: Leading From the Emerging Future do MIT com Otto Scharmer. Co-fundadora da Terra Krya.

Público-alvo

Profissionais das áreas de estratégia, inovação, economia, comunicação , administração, biologia, design e educação. Pessoa curiosas, criativas e interessadas pelo assunto. Estudantes de áreas afins.

O que você vai aprender no curso?

  • Entender um novo modelo mental, inspirado na natureza;
  • Conhecer e compreender as estratégias de continuidade de vida exercida pelos seres vivos e como aplicar a uma nova economia, sociedade e projetos;
  • Aplicar a Biomimética em negócios, empresas, design e outras áreas do conhecimento;
  • Entender o Biomimicry Thinking e seus fundamentos;
  • Exercitar a Percepção dos sentidos com a natureza
  • Prototipar com Biomimicry Thinking ( criação/ideação com biomimética);
  • Percepção e pensamento sistêmico com a sociedade e o planeta;
  • Conexão com sua natureza interna e natureza externa através da intuição.

Confira todas as informações do curso no site da Sympla.

Avatar
Arquiteta e urbanista com formação em desenvolvimento sustentável pela University of New South Wales, em Sidney, Austrália. Fundou o CicloVivo em 2010 com a proposta de falar sobre sustentabilidade de forma divertida e descomplicada. Acredita que o bom exemplo é a melhor maneira de influenciar pessoas e que a simplicidade é a chave para vivermos em harmonia.