despoluição rio pinheiros
Foto: Rafael Neddermeyer | Fotos Públicas

A empresa de engenharia Allonda, contratada pela SABESP, terá um financiamento de R$ 70 milhões do Desenvolve SP, instituição financeira governo paulista, para construção de infraestrutura de coleta de esgoto na bacia do Jaguaré e sua ligação às residências.

As obras previstas neste contrato vão beneficiar mais de 58 mil famílias e vão contar com a linha de crédito Economia Verde, que apoia exclusivamente projetos sustentáveis que promovem o desenvolvimento socioambiental. O banco Desenvolve SP vai oferecer taxas especiais para os financiamentos de projetos do programa Novo Rio Pinheiros.

A Allonda apresentou a melhor proposta em dois dos 16 editais para contratação de obras de saneamento no âmbito do programa de despoluição do rio, para execução nas bacias do Jaguaré e Cordeiro, onde mais de 100 mil imóveis serão ligados à rede coletora de esgoto num total de 58.392 e 45.424 respectivamente.

“Já iniciamos os trabalhos e estamos orgulhosos de fazer parte de um projeto que, além de beneficiar diretamente três milhões de pessoas, trará enormes ganhos sociais e ambientais para toda a população do estado”, diz Leo Cesar Melo, CEO da Allonda.

Novo Rio Pinheiros

A revitalização do Pinheiros deve beneficiar mais de três milhões de pessoas no entorno da Bacia. A meta do Novo Rio Pinheiros é reduzir o esgoto lançado em seus afluentes, melhorar a qualidade de suas águas e integrá-lo à cidade com suas margens revitalizadas.

Excesso de lixo no Rio Pinheiro, contrasta com os prédios de luxo na Marginal Pinheiros na altura da USP até a ponte Cidade Jardim. Foto: Rafael Neddermeyer | Fotos Públicas

Segundo o Governo do Estado de São Paulo, os 16 pacotes de contratação para execução de obras de esgotamento sanitário e ações socioambientais nas sub-bacias do rio já estão em execução. Até o momento, foram realizadas mais de 36 mil ligações de imóveis à rede coletora.

O projeto contará com cinco unidades de recuperação da qualidade da água que vão retirar o esgoto diretamente dos córregos. Os contratos serão assinados nos próximos dias. Paralelamente, na última semana, a EMAE recebeu proposta de R$ 280 milhões para a concessão da Usina São Paulo, com ágio de 1.900%, para restauração do complexo com implantação de áreas de convivência, comércio e escritórios.

O programa atende a vertentes de sustentabilidade alinhadas com os 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável da ONU (ODS), entre eles, assegurar a disponibilidade e gestão sustentável da água e saneamento para todas e todos, impulsionar o crescimento econômico sustentável, promover o bem-estar geral, garantir a vida na água, desenvolver cidades e comunidades sustentáveis, além de adotar de medidas de combate à mudança climática e seus impactos.