As arquitetas Azin Valy e Suzan Wines, no escritório norte-americano I-Beam são as responsáveis por um projeto que cria moradias para refugiados, reaproveitando pallets usados. A ideia resolve dois problemas de uma só vez: a falta de moradia e a quantidade de materiais descartados indevidamente em aterros sanitários.

A ideia de usar os pallets como matéria-prima para a construção das casas deve-se à praticidade do material e ao baixo custo que eles representam. As residências são pequenas, com aproximadamente 20 m2. Cada uma delas pode ser construída com 80 pallets reaproveitados.

As paredes internas e externas das casas são preenchidas com uma pequena tela de isopor, para conter os ventos e a chuva. Em regiões em que o mau tempo predomina é possível usar placas de isopor mais resistentes para aumentar a proteção.

De acordo as arquitetas, um grupo de quatro ou cinco pessoas é capaz de construir um destes abrigos em uma semana, utilizando apenas ferramentas manuais. O projeto ganhou Menção Honrosa em um concurso para a concepção de alojamentos provisórios para refugiados que regressam do Kosovo.

“O nosso objetivo também foi o de desenvolver uma solução para moradias permanentes, para servirem não só aos refugiados em zonas de risco, mas também como uma solução modular, pré-fabricada para habitação a preços acessíveis e que podem melhorar a vida das pessoas em qualquer lugar”, informaram as arquitetas ao site Daily Mail.

Elas exaltam as características sustentáveis dos pallets, como o baixo preço, o pouco impacto ambiental, a vasta disponibilidade e a facilidade no transporte, que o torna acessível em qualquer local. Com informações do Daily Mail.

Redação CicloVivo

Avatar
Arquiteta e urbanista com formação em desenvolvimento sustentável pela University of New South Wales, em Sidney, Austrália. Fundou o CicloVivo em 2010 com a proposta de falar sobre sustentabilidade de forma divertida e descomplicada. Acredita que o bom exemplo é a melhor maneira de influenciar pessoas e que a simplicidade é a chave para vivermos em harmonia.