Inicio Vida Sustentável Passar 30 min/semana na natureza reduz depressão e doenças cardíacas

Vida Sustentável

Passar 30 min/semana na natureza reduz depressão e doenças cardíacas

Os benefícios também se refletem na economia, com reduções expressivas em gastos com saúde pública.

17 de novembro de 2016 • Atualizado às 17 : 40

Os benefícios de ter contato direto com a natureza são muito, inegáveis e conhecidos há muito tempo. | Foto: iStock by Gettu Images

Passar 30 min/semana na natureza reduz depressão e doenças cardíacas
9.85K
0

Um estudo conduzido pela Universidade de Queensland, na Austrália, conseguiu avaliar os efeitos diretos do contato com a natureza na saúde humana. De acordo com a pesquisa, passar apenas 30 minutos semanais em parques poderia reduzir em 7% os casos de depressão e em 9% os casos de pressão alta.

Os benefícios de ter contato direto com a natureza são muito, inegáveis e conhecidos há muito tempo. No entanto, está é a primeira vez que os cientistas conseguiram colocar essas informações em números, que influenciam diretamente os indivíduos e os governos, pois podem direcionar novas políticas públicas e investimentos.

Para a pesquisa, os cientistas contaram com a participação de 1.538 pessoas, residentes da cidade australiana de Brisbane. O estudo contou com uma série de comparações e cruzamentos de informações que permitiram a avaliação da influência de um passeio no parque no organismo dos participantes.

O que se identificou foi que esse contato simples e em um curto período de tempo com a natureza é capaz de reduzir os riscos de desenvolvimento de doenças cardíacas, estresse, ansiedade e depressão. Mesmo que a Austrália ofereça muitas opções de parques municipais, eles têm uma taxa de frequência de apenas 40% da população local.

“Se todas as pessoas visitassem os parques locais por meia hora toda semana, poderiam ocorrer 7% menos casos de depressão e 9% menos casos de pressão alta”, explicou a Dr. Danielle Shanahan, uma das integrantes do estudo.

Os benefícios também se refletem na economia. “Tendo em vista que os custos sociais gerados pela depressão apenas na Austrália são estimados em 12,6 bilhões de dólares australianos por ano, a economia pública com os orçamentos ligados à saúde poderia ser imensa”, completa a pesquisadora.

Apesar de ser um estudo feito com amostras locais, o princípio pode ser aplicado e replicado em qualquer lugar do mundo.

Clique aqui para mais informações.

Redação CicloVivo

 

 

(9847)

logo
Fechar
Abrir
logo