Inicio Meio Ambiente Emissões de CO2 deixam oceanos mais ácidos e podem levar espécies à extinção

Meio Ambiente

Emissões de CO2 deixam oceanos mais ácidos e podem levar espécies à extinção

Espécies como corais, moluscos e equinodermos, como a estrela do mar e o ouriço, estão entre os mais afetados.

10 de novembro de 2016 • Atualizado às 19 : 15

A acidificação dos oceanos diminui o instinto de sobrevivência dos peixes. | Foto: Wicker Paradise/Flickr

Emissões de CO2 deixam oceanos mais ácidos e podem levar espécies à extinção
1.69K
0

Quando se fala na mudança climática que a Terra vem sofrendo nas últimas décadas, é comum vir a mente questões como efeito estufa e aquecimento global. Mas estes não são os únicos problemas graves que temos enfrentado. A massiva emissão de dióxido de carbono, o CO², tem causado um processo de acidificação de todos os oceanos, e é extremamente perigoso, podendo resultar na extinção da vida marinha até o fim do século.

A Organização das Nações Unidas (ONU) liberou um relatório onde afirma que os oceanos estão ficando cada vez mais ácidos. Este foi o novo alerta divulgado pela Convenção sobre a Diversidade Biológica (CDB) durante a 12ª reunião sobre a proteção da biodiversidade.

A acidificação teve início junto à primeira revolução industrial, no século XVIII, já que as fábricas liberavam enormes quantias de CO² na atmosfera. Como havia indústrias por toda a Europa, foi rápido o aumento dos níveis de acidez. Pesquisadores concluíram que o pH (índice que indica o nível de alcalinidade, neutralidade ou acidez de uma solução aquosa) dos oceanos aumentou 26% ao longo dos últimos 200 anos. Sendo a escala de pH logarítmica, uma leve diminuição representa grandes variações de acidez.

De acordo com o relatório, a acidificação dos oceanos tem ocorrido com enorme velocidade e seguirá crescendo pelas próximas décadas. O impacto na vida marinha, se os prognósticos se confirmarem, será trágico. Encontrar variações de acidez nos oceanos é normal, dependendo da hora, da estação, do local, da região e até da profundidade da água. Estas diferenciações comuns fazem parte do ecossistema que ali se estabelece e os animais já se adaptaram a elas, tendo diversos hábitos influenciados pelos níveis de acidez. Assim, a acidificação compromete diretamente toda a biodiversidade, trazendo consequências negativas, entre elas, a diminuição da fertilidade.

Espécies como corais, moluscos e equinodermos, como a estrela do mar e o ouriço, são particularmente afetados, já que a acidez elevada diminui seu ritmo de crescimento e sua sobrevivência. Outras pesquisas indicam ainda que a acidificação dos oceanos diminui o instinto de sobrevivência dos peixes, o que os deixa expostos aos predadores. Isso fragiliza toda a cadeia alimentar marinha e também afeta todo o panorama socioeconômico. Visto que muitas culturas vivem da produção de espécies marítimas, a acidificação representa risco a todo um setor do mercado mundial.

Outras pesquisas ainda são necessárias para compreender melhor o fenômeno, mas o relatório da ONU conclui que uma redução das emissões de CO² permitiria eliminar o problema.

Como o processo de acidificação ocorre?

Quando a água (H²O) e o dióxido de carbono (CO²) se encontram, é formado o ácido carbônico (H²CO³) que se dissocia no mar, formando então íons de trióxido de carbono (CO³²-) e hidrogênio (H+).

O nível de acidez se dá através da quantidade de íons H+ presentes em uma solução, que neste caso, é a água do mar. Quanto maiores forem as emissões, maior será a quantidade de íons H+ e mais ácido serão os oceanos.

O Greenpeace produziu um pequeno vídeo que explica todo o processo de acidificação, a animação é bem curta, simples e educativa, assista abaixo: 

O que acontece com a vida marinha?

Independente do habitat, mudanças, por menores que sejam, têm poder para influenciar profundamente todo o ambiente. Mudanças de temperatura, do clima, do nível de chuva, do número de animais, não importa, causam desequilíbrio ambiental, quase sempre irreparável. É o que ocorre hoje nos oceanos, com a alteração do seu pH.

De acordo com estudos preliminares, a acidificação afeta diretamente organismos calcificadores, como alguns tipos de mariscos, algas, corais e moluscos, dificultando sua capacidade de formar canchas, levando assim ao seu desaparecimento. Nas condições normais, os oceanos devem conseguir absorver as quantidades ideais de CO², formando, após reações químicas, o carbonato de cálcio (CaCO3), que é o elemento usado para a calcificação por animais marinhos. O aumento na acidez dos oceanos acarreta nos carbonos se ligando aos íons H+, o que faz a disponibilidade de CaCO3 diminuir, e os organismos não conseguem realizar seus processos de calcificação, ficando expostos a qualquer perigo externo, o que ocasionaquedas drásticas nas populações, podendo chegar a extinção.

Outra consequência advinda desta perda de biodiversidade de ecossistemas marinhos é a erosão de plataformas continentais, que não apresentarão mais corais, que ajudam a fixar os sedimentos. A estimativa encontrada pela equipe de planos da net é de que em até 2100, cerca de 70% dos corais de águas frias estarão expostos a águas corrosivas.

Foto: Reprodução/ARC

Foto: Reprodução/ARC

Algum benefício?

Outras pesquisas demonstram como alguns microrganismos poderiam se beneficiar da acidificação. A diminuição do pH (aumento da acidez) favorece a disponibilidade de nutrientes essenciais para o plâncton, resultando em um crescimento da produção primária, por exemplo. O fitoplâncton produz um componente chamado dimetilssulfeto, que ao chegar na atmosfera contribui para a formação de nuvens, que refletem os raios solares, controlando assim o aquecimento global.

Porém, ultrapassando esse ponto, isso resultaria na saturação de CO2 nos oceanos, e, somado ao aumento de temperatura das águas, além de prejudicar organismo, aumenta a concentração desse gás na atmosfera, o que contribui para intensificar os efeitos do aquecimento global. Temos assim um ciclo vicioso entre acidificação e o aquecimento global.

Como fica a economia?

Além dos impactos já descritos, comunidades que vivem à base de eco-turismo, como mergulhos, ou de atividades pesqueiras serão extremamente prejudicadas. Tendo em vista que mergulhos em barreiras de corais são populares nas cidades costeiras, com a morte deste organismo não sobraria algo a ser visto, apenas rocha.

Um mercado que deve ser afetado pela acidificação é o de créditos de carbono. Com o prejuízo nos depósitos naturais de CO2 nos oceanos, o gás se concentra na atmosfera, fazendo com que os países arquem financeiramente com as consequências. Vale dizer que organismos calcários armazenam carbono em suas conchas, e ficam depositados no leito dos oceanos por longos períodos, mesmo após a morte do animal.

Foto: XL Catlin Seaview Survey/Global Coral Bleaching

Foto: XL Catlin Seaview Survey/Global Coral Bleaching

Tem solução?

Um grupo internacional de cientistas anunciou que uma mistura de soda cáustica e corante sobre um recife de coral pode ajudar na restauração de uma região. Nos testes, eles usaram lagoas naturais que se formam quando a maré está baixa. Medindo a proporção entre corante e soda cáustica na mistura entre uma lagoa e outra, no começo e no final do experimento, durante 22 dias, eles conseguiram estimar um crescimento dos corais em 7%. Porém isso apenas serviu para provar cientificamente a ligação entre acidificação e formação dos corais.

Essa correção de pH até foi cogitada como um esquema de engenharia planetária para reverter a situação em áreas-chave dos oceanos, mas não é prático em escala global, pois exige muita energia, dinheiro e recursos.

Ken Caldeira, um dos cientistas que promoveu o experimento com a soda cáustica, afirma que “a única maneira real e duradoura de proteger os recifes é fazer cortes profundos nas nossas emissões de dióxido de carbono”. Este deve ser o foco das discussões, as emissões de carbono.

O problema de acidificação vai muito além dos mares. Povoados, cidades e até mesmo países são totalmente dependentes da pesca e do turismo marítimo. É necessário que autoridades tomem atitudes incisivas sobre o tema, que criem leis e fiscalização rigorosos sobre a emissão de carbono. Quanto sociedade, utilizar mais transporte público, veículos movidos a fontes de energia renováveis e optar por alimentos provenientes da agricultura orgânica, são escolhas que podemos fazer para ajudar.

Mas tudo isso só mostrará resultado se as industrias priorizarem a produção de bens que utilizem matérias-primas sustentáveis, que suas formas de produção diminuam drasticamente a emissão de dióxido de carbono. Essas medidas devem estar em pauta agora, pois em poucos anos os resultados já terão se tornado irreversíveis.

Por Thiago Maboni

(1692)

logo
Fechar
Abrir
logo