Inicio Negócios Shell está no centro de um esquema bilionário de suborno na Nigéria

Negócios

Shell está no centro de um esquema bilionário de suborno na Nigéria

Este é um dos piores escândalos de corrupção da indústria do petróleo e o maior avanço neste caso até agora.

12 de abril de 2017 • Atualizado às 11 : 25

Indústria de petróleo, gás e mineração é a mais corrupta do planeta.|Foto: iStock |

Shell está no centro de um esquema bilionário de suborno na Nigéria
1.29K
0

As gigantes globais do petróleo Shell e Eni participaram conscientemente de um enorme esquema de suborno envolvendo um dos blocos de petróleo mais valiosos da África, o que privou a Nigéria e seu povo de US$ 1,1 bilhão, revelou a Global Witness junto com a Finance Uncovered. Elas analisaram novos e-mails internos vazados, os quais mostram que os decisores mais importantes da Shell sabiam que em vez de beneficiar o nigeriano, o dinheiro pago pelo bloco de petróleo OPL 245 em 2011 iria para o ex-ministro nigeriano Dan Etete, que já havia sido condenado por lavagem de dinheiro.

“Este é um dos piores escândalos de corrupção da indústria do petróleo e o maior avanço neste caso até agora. As novas evidências mostram que executivos seniores da quinta maior empresa do mundo entraram conscientemente em um acordo corrupto que privou o povo nigeriano de US$ 1,1 bilhão”, declara Simon Taylor, da Global Witness. “Para dar uma noção do que isso representa, o pagamento para este negócio vale mais do que todo o orçamento de saúde da Nigéria para 2016”, completa.

A Global Witness investigou e expôs este caso por seis anos e durante esse tempo a Shell negou consistentemente qualquer erro, dizendo que só havia pago ao governo nigeriano. Os e-mails vazados mostram que essa negação é enganosa. Mensagens que foram para o então CEO Peter Voser revelam que ele sabia que esse substancial pagamento iria para Etete. Outros e-mails mostram que o dinheiro provavelmente seguiria para algumas das pessoas mais poderosas do país, incluindo o então presidente Goodluck Jonathan.

O acordo corrupto de Shell e Eni teve conseqüências enormes para as pessoas comuns da Nigéria. Neste momento, cinco milhões de pessoas em toda o país enfrentam a fome e uma em cada dez crianças não vive até seu quinto aniversário. O dinheiro pago pelo bloco equivale a uma vez e meia o que a ONU diz ser necessário para responder à atual crise de fome do país.

Ao participar conscientemente deste enorme esquema de suborno, a Shell também enganou seus investidores e os expôs a um risco considerável, já que o bloco poderia agora ser retirado da empresa. Milhões de poupanças de pessoas em todo o Reino Unido são investidos na Shell.

A polícia invadiu a sede da Shell em fevereiro de 2016. Seis países abriram investigações sobre o acordo. Há grandes chances de que a Shell venha a perder o bloco de petróleo. Um tribunal italiano vai iniciar audiências em 20 de abril para determinar se a Shell será julgada por acusações de corrupção internacional. Vários executivos da Shell da época do acordo podem enfrentar processos de responsabilidade civil.

Responsabilidade é apenas parte da solução

Este escândalo da Shell não é um caso isolado. A indústria de petróleo, gás e mineração é a mais corrupta do planeta, de acordo com a OCDE. Shauna Leven lembra que “mais de 30 grandes economias, incluindo as do Reino Unido, Canadá, Noruega, EUA e todos os países da União Europeia agora têm leis em vigor que exigem que as empresas de petróleo, gás e mineração divulguem o que estão pagando qualquer governo projeto por projeto. Se essas leis estivessem em vigor no momento do acordo, a Shell teria que declarar publicamente estes pagamentos. É muito pouco provável que quisessem fazer isso. Dar visibilidade a acordos corruptos como a da OPL 245 impede as empresas multinacionais de conspirar com os funcionários gananciosos do governo para enriquecer às custas das pessoas comuns.”

Um porta-voz da Shell disse a Finance Uncovered: “Dado que este assunto está sob investigação, seria inadequado comentar sobre pontos específicos. Contudo, com base na nossa revisão do processo do procurador de Milão e em todas as informações e dados disponíveis à Shell, não acreditamos que exista uma base para processar a Shell. Além disso, não temos conhecimento de nenhuma evidência para apoiar um caso contra qualquer empregado anterior ou atual da Shell”. Se for provado que a empresa de Etete pagou subornos relacionados ao negócio da OPL 245, “a posição da Shell é que nenhum desses pagamentos foi feito com seu conhecimento, autorização ou em seu nome “, disse a empresa. Veja a resposta completa do Shell aqui.

Eni disse à Global Witness que não era apropriado debater o mérito das alegações, já que os processos estavam pendentes. Eles notaram “declarações imprecisas e descaracterizações do registro, incluindo, por exemplo, a descrição da estrutura da aquisição OPL 245”, continuando “nenhum dos contratos relativos à transação de 2011 foi executado secretamente ou projetado para” ocultar “a transação”. Veja a resposta completa da Eni aqui.

Ambas as empresas afirmaram ter encomendado investigações separadas e independentes. “Nenhuma conduta ilegal foi identificada”, disse Eni, alegando que “concluiu a transação com o governo nigeriano sem o envolvimento de intermediários”. A Shell disse que tinha compartilhado as principais conclusões da sua investigação sobre a OPL 245 com as autoridades competentes e que “não acreditamos que exista uma base para processar a Shell.”

Em janeiro Goodluck Jonathan divulgou uma declaração dizendo que ele “não foi acusado, indiciado ou responsabilizado por coletar de forma corrupta dinheiro na forma de propinas ou subornos ” no caso de OPL 245.

(1285)

logo
Fechar
Abrir
logo