Ícone do site

Poluição oceânica por plásticos quadruplicará até 2050

O crescimento projetado da poluição plástica já coloca em risco os esforços atuais para proteger e aumentar a biodiversidade.

Published 10/02/2022
poluição oceânica

Foto: Sören Funk | Unsplash

Uma nova revisão encomendada pelo WWF de mais de 2.590 estudos fornece a análise mais abrangente até o momento do impacto e da escala alarmantes da poluição plástica nas espécies e ecossistemas oceânicos. A revisão revela que se não forem tomadas medidas agora para reduzir a produção e o uso global de plástico, o crescimento projetado da poluição plástica provavelmente resultará em muitas áreas sofrendo riscos ecológicos significativos, prejudicando os esforços atuais para proteger e aumentar a biodiversidade. 

A revisão alerta que, até o final do século, áreas marinhas com mais de duas vezes e meia o tamanho da Groenlândia podem exceder os limites ecologicamente perigosos de concentração de microplásticos, já que a quantidade de microplásticos marinhos pode aumentar 50 vezes até então.

Isso se baseia em projeções de que a produção de plástico deve mais que dobrar até 2040, levando os detritos plásticos no oceano a quadruplicarem até 2050. 

Encomendado pelo WWF e conduzido pelo Alfred Wegener Institute Helmholtz Center for Polar and Marine Research, o relatório “Impacts of plastic pollution in the ocean on marine species, biodiversity and ecosystems” observa que as concentrações de microplásticos acima de um nível limite de 1,21 x 105 itens por metro cúbico já foram estimados em várias regiões do mundo.

Este limite, acima do qual é provável que ocorram riscos ecológicos significativos, já foi ultrapassado em alguns pontos críticos, como o Mediterrâneo, o Leste da China e os Mares Amarelos e o gelo marinho do Ártico.

Expedição no círculo polar ártico. | Foto: Sarah N/ Pixabay

Nos piores cenários, exceder os limites ecologicamente perigosos de poluição microplástica pode levar a efeitos adversos em espécies e ecossistemas, incluindo populações reduzidas.

“Todas as evidências sugerem que a contaminação plástica do oceano é irreversível. Uma vez distribuído no oceano, é quase impossível de recuperar o lixo plástico. Ele se degrada constantemente e, portanto, a concentração de micro e nanoplásticos continuará a aumentar por décadas. Agir sobre as causas da poluição plástica é muito mais eficaz do que limpar depois. Se governos, indústria e sociedade agirem em uníssono agora, eles ainda podem limitar a crise do plástico”, afirma Heike Vesper, diretora do Programa Marinho da WWF Alemanha. 

Dada a difusão da poluição plástica, quase todas as espécies provavelmente já encontraram plástico. Os impactos negativos da poluição plástica já são detectáveis ​​na maioria dos grupos de espécies, enquanto a produtividade de vários dos ecossistemas marinhos mais importantes do mundo, como recifes de corais e manguezais, está sob risco significativo. 

Foto: Tim Mossholder | Unsplash

Onde outras ameaças – como pesca excessiva, aquecimento global, eutrofização ou transporte marítimo – se sobrepõem aos pontos críticos de poluição por plástico, os impactos negativos são amplificados. Para espécies já ameaçadas, algumas das quais vivem nesses hotspots, como focas-monge ou cachalotes no Mediterrâneo, a poluição plástica é um fator adicional ao estresse que está levando essas populações à extinção. 

“A pesquisa funciona como uma lanterna com a qual lançamos raios de luz na escuridão dos oceanos. Apenas uma fração dos efeitos foi registrada e pesquisada, mas os efeitos documentados causados ​​pelo plástico são preocupantes e devem ser entendidos como um sinal de alerta para uma escala muito maior, especialmente com o crescimento atual e projetado da produção de plástico”, diz Melanie Bergmann, bióloga marinha do Alfred Wegener Institute Helmholtz Center for Polar and Marine Research

A natureza durável do plástico também significa que a absorção de microplástico e nanoplástico na cadeia alimentar marinha só continuará a se acumular e atingir níveis perigosos, se não cortarmos nossa produção e uso de plástico agora. 

Essa ameaça generalizada e crescente à vida oceânica só pode ser enfrentada com uma solução global e sistêmica eficiente, que os países podem estabelecer adotando um tratado global na Assembleia 5.2 da ONU para o Meio Ambiente em fevereiro.

A pressão sobre a comunidade internacional por um tratado juridicamente vinculativo cresce. Mais de 2 milhões de pessoas em todo o mundo assinaram uma petição do WWF, enquanto mais de 100 empresas globais, mais de 700 organizações da sociedade civil e 156 países, representando mais de ¾ dos estados membros da ONU, também apoiaram pedidos de um tratado.

Foto: Naja Bertolt Jensen | Unsplash

“Sem dúvida, a poluição plástica descontrolada se tornará um fator que contribui para a sexta extinção em massa em andamento, levando ao colapso generalizado do ecossistema e à transgressão dos limites planetários seguros. Sabemos como parar a poluição plástica e sabemos que o custo da inação vem às custas de nossos ecossistemas oceânicos — não há desculpa para adiar um tratado global sobre poluição plástica. A saída para nossa crise do plástico é que os países concordem com um tratado globalmente vinculante que aborde todas as etapas do ciclo de vida do plástico e que nos coloque no caminho para acabar com a poluição marinha por plástico até 2030”, disse Ghislaine Llewellyn, vice-líder de oceanos do WWF.

As principais descobertas incluem:

● Até agora, 2.144 espécies encontraram poluição plástica em seus ambientes naturais, de acordo com uma avaliação conservadora da pesquisa atual.

● Há uma tendência clara que mostra que 88% das espécies marinhas estudadas foram impactadas negativamente pelo plástico. Por exemplo, estima-se que até 90% de todas as aves marinhas e 52% de todas as tartarugas marinhas ingerem plástico.

● A extensão da poluição plástica e seu impacto nas espécies e ecossistemas marinhos varia muito: de pedaços de plástico no estômago, armadilhas mortais no pescoço a plastificantes químicos no sangue, os perigos para a vida marinha são imensos. Os detritos plásticos causam lesões internas e externas ou morte de animais marinhos e podem restringir a locomoção ou o crescimento de criaturas, reduzir a ingestão de alimentos, a resposta imune ou a capacidade reprodutiva dos organismos.

● Os complexos sistemas radiculares dos manguezais, que são essenciais para a manutenção da biodiversidade marinha, foram medidos como tendo algumas das maiores densidades de plástico do mundo, e sabemos que a poluição plástica inibe o crescimento das plantas. Em lugares com alta poluição, como a Indonésia, as florestas de mangue, que já estão em declínio devido a ameaças como extração de madeira e conversão de terras, estão sob ameaça adicional de serem cobertas por resíduos plásticos.

● Os recifes de coral em todo o mundo estão em grave crise devido às mudanças climáticas, e a ameaça adicional aos corais pela poluição plástica atingiu níveis alarmantes. Onde o lixo plástico fica preso entre os corais, a incidência de doenças dos corais aumenta significativamente. Lonas plásticas ou equipamentos de pesca geralmente permanecem no recife por décadas, causando a morte de pólipos cobertos ou a quebra ou abrasão das estruturas de corais. E os corais ingerem partículas microplásticas com efeitos negativos nas algas simbióticas e suas chances de sobrevivência, aumentando o branqueamento dos corais.

Um resumo, em inglês, do relatório “Impactos da poluição plástica no oceano sobre espécies marinhas, biodiversidade e ecossistemas” está disponível aqui.