Super planta é mais eficaz no combate à poluição do ar

Cientistas britânicos estudaram quais plantas absorvem mais poluentes e descobriram espécie 20% mais eficiente
Por
23 de fevereiro de 2021

Plantar árvores e preservar o verde nas cidades e florestas é uma maneira simples mas extremamente importante para garantir ar puro e combater as mudanças climáticas. A novidade descoberta por pesquisadores da Royal Horticultural Society é que existem plantas que desempenham esta função de forma mais eficiente. Pesquisando quais seriam estas plantas, os cientistas chegaram a Cotoneaster franchetii, uma super planta quando se tratar de reter gases que ajudam o efeito estufa.

“Estimamos que a  Cotoneaster retém 20% a mais de emissões do que outras sebes que testamos, então seria ideal ao longo de estradas movimentadas em pontos de poluição”, disse Dra. Tijana Blanusa autora do estudo.

O estudo, publicado na revista Environments , teve como objetivo comparar diferentes métodos para avaliar quais plantas estavam acumulando a maior parte do material particulado. Para uma avaliação ainda mais completa, eles analisaram o comportamento das plantas em canteiros de rodovias na cidade britânica de Reading e determinaram quais espécies eram mais eficazes na absorção de poluentes.

A Cotoneaster franchetii é um arbusto com folhas peludas que retêm mais material particulado. Foto: Richard Barbard | Unsplash

A planta vencedora foi a Cotoneaster franchetii, é um arbusto com folhas peludas, com frutos que variam entre o branco e rosa nos dias quentes para o vermelho e roxo, nas estações mais frias do ano. A espécie é originária da China, Tailândia e Mianmar. 

As características que tornam a Cotoneaster franchetii um filtro de poluição eficaz podem ser encontradas em outras plantas, especificamente aquelas com folhas peludas ou complexas, concluiu o estudo.

“Nas principais estradas da cidade com tráfego intenso, descobrimos que as espécies com coberturas mais densas e com folhas ásperas e peludas eram as mais eficazes”, disse Blanusa.

“Os pelos, cristas e escamas das folhas agem aumentando a área de superfície sobre a qual o material particulado é depositado, mas também podem dificultar o deslocamento do material quando as folhas estão se movendo”, explicou ela.

Cedro vermelho ocidental, alfena e oliveiras também foram consideradas mais eficazes no combate à poluição do ar. Foto: Pixabay

E a escolha das espécies para os canteiros de rodovias ou locais onde a poluição é maior faz realmente uma diferença nos resultados, descobriram os pesquisadores. Se você quiser plantar uma espécie menos eficaz, a cobertura vegetal precisará ter dois metros a mais de espessura para ter o mesmo efeito que uma espécie com folhas mais arbustivas.

A pesquisa faz parte de um estudo para identificar “super plantas” que jardineiros e planejadores urbanos podem usar para ajudar a mitigar os impactos ambientais, como poluição do ar e a crise climática.

“Descobrimos, por exemplo, que a cobertura de parede com hera é excelente para resfriar edifícios e espinheiro e alfena ajudam a aliviar chuvas intensas de verão e reduzir inundações localizadas”, disse o professor Alistair Griffiths, diretor de ciência e coleções da Royal Horticultural Society, no comunicado à imprensa. 

“Com o plantio em jardins e espaços verdes em regiões críticas, poderíamos fazer uma grande diferença na mitigação e adaptação às mudanças climáticas”.

professor Alistair Griffiths