Ícone do site

Brasileiros ganham prêmio mundial por projeto para despoluir rio Tietê

Alunos do Pueri Domus projetaram instalação de redes para conter resíduos sólidos nas saídas de galerias pluviais

Published 14/06/2022
despoluir rio tietê

Cintia Yamashita, coordenadora do Ensino Médio e mentora dos estudantes no projeto, e os alunos Thaís, Eduardo, Jiahai e Eric. Foto: Divulgação

Um grupo e 4 alunos da 1ª e 3ª série do Ensino Médio da escola Pueri Domus, em São Paulo, decidiram criar um projeto para ajudar a despoluir o rio Tietê. A ideia é simples e eficiente: redes coletoras seriam instaladas nas saídas das galerias pluviais para impedir que resíduos sólidos cheguem ao rio.

A proposta de Eric Hsieh, Eduardo Filho, Thais Ling e Jiahai Huan ficou em primeiro lugar em um concurso mundial promovido por uma universidade americana. Realizada anualmente pela Full Sail University, nos Estados Unidos, a Criativity Marathon reuniu mais de 2,3 mil alunos de 108 escolas em países como México, Colômbia e Índia. Só no Brasil, foram 168 projetos de 62 colégios.

A competição estimula os estudantes a propor soluções que apoiem a Agenda 2030 das Nações Unidas e atendam um ou mais pontos dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Os estudantes paulistas se inspiraram em uma iniciativa bem-sucedida na Austrália, na cidade de Kwinana. O projeto campeão se relaciona com o objetivo 6 do ODS, que tem como um dos pontos principais melhorar a qualidade da água, reduzindo a poluição.

Ciclovia à beira do Rio Tietê. | Foto: William Miranda Andrade/Flickr

“A proposta é muito simples. A rede vai pegar o lixo sólido que ia ser despejado no rio. E é possível trocá-la com o passar do tempo. Nós pesquisamos e vimos que uma cidade já construiu essa rede na Austrália”, conta Eric. A ideia surgiu após ele visitar a nascente do Tietê, em Salesópolis, quando notou que um dos problemas da poluição era o despejo de lixo, que chegava ao rio pelas galerias pluviais.

Considerando os 1.150 km do rio e a dimensão das saídas de galeria, o custo por metro quadrado da rede seria de, aproximadamente, R$ 69, segundo estimativa realizada pelos alunos e pelo professor Renato Mader de IB Business Management. O grupo calculou, também, que seria necessária 1 rede por quilômetro de extensão do rio, totalizando 2.300 filtros produzidos para ambas as margens. O custo estimado, sem instalação, seria, portanto, de R$ 158,7 mil.

As primeiras instruções da Creativity Marathon foram recebidas pelos grupos em fevereiro. Os integrantes passaram os meses de março e abril imersos em oficinas de filmagem e edição de vídeos. A premiação ocorrerá no dia 24/06 e Eric, Eduardo, Jiahai e Thaís vão ganhar um Pacote GoPro Hero10 Black cada (um cartão presente no valor de U$ 100, um troféu, um ano de acesso ao Adobe Cloud e uma semana de imersão no laboratório virtual da Full Sail).

Os programas de despoluição do Rio Tietê já custaram mais do que R$ 8 bilhões.

“O Pueri Domus entende a importância da participação dos alunos em atividades que desenvolvam suas capacidades socioemocionais, junto com as disciplinas regulares. Estimulamos o questionamento sobre o acesso à cidade e ao meio ambiente. E a participação na Creativity Marathon nos mostra que eles estão atentos aos problemas locais e empenhados em transformá-los”, explica a professora Cintia Yamashita, coordenadora Pedagógica do Ensino Médio da Unidade Aclimação e orientadora do projeto.

LEIA MAIS: