- Publicidade -

Mini casa sobre rodas coleta água da chuva e capta energia do sol

Apelidada de “Ursa”, casinha opera totalmente fora da rede.

casa ursa
Foto: Junior Carranca
- Publicidade -

Uma casa que acomoda quarto, sala, cozinha, banheiro e até escritório de trabalho. No teto, painéis solares geram energia limpa para abastecer a residência, assim como o telhado inclinado facilita a coleta de água da chuva. Tudo isso em uma mini casa itinerante, cujas rodas podem levar o morador para onde quiser – sem a dor de cabeça das embalagens de mudança. Estamos falando da Casa Ursa, projetada pelo escritório de arquitetura e marcenaria Madeiguincho em Portugal.

Como a residência é minúscula, não há paredes divisórias: são os próprios móveis que fazem a distinção de cada espaço. Mobiliário na medida certa e armazenamento interno criam a otimização necessária para a habitação. O charme especial fica por conta da janela oval que funciona como uma espécie de claraboia – trazendo a entrada de luz natural. 

O grande destaque da Casa Ursa é ser totalmente autossuficiente. Isto é, não depende de empresas para obter abastecimento hídrico, energético e nem mesmo coleta de esgoto de banheiro. Para garantir a operação “fora da rede”, algumas estratégias ecológicas foram adotadas.

- Publicidade -

A simples inclinação do telhado em 5% garante, por exemplo, a recolha da água pluvial que é canalizada para um filtro de partículas e dois grandes tanques d’água, com capacidade para armazenar 650 litros. A água então é usada para abastecer as pias da cozinha e banheiro. Além disso, um filtro de osmose reversa, de três estágios, torna a água própria para consumo humano. Parte da água usada é reaproveitada para regar as plantas. 

Fotos: Junior Carranca

Todas as necessidades elétricas são abastecidas por cinco painéis solares, instalados no telhado e voltados para o sul. As placas ainda podem ser ajustadas para uma inclinação de 30%, o que maximiza a produção de energia renovável ao longo de todo o ano. A energia produzida é então armazenada para uso posterior. 

A casa de pouco mais de 17 metros quadrados ainda possui no banheiro um vaso elétrico seco, que transforma dejetos em composto, e um deck exterior. Todos os recursos fazem com que “cada pequena casa se torne um organismo vivo móvel totalmente sustentável”, afirma o escritório Madeiguincho.

 Fotos: Junior Carranca 

Construída principalmente com estrutura de aço leve e ripas de madeira, a cabine móvel integra uma série de mini casas da Madeiguincho batizado de “TOW”. Confira as demais opções projetadas aqui

Se para muitos morar em pequenos espaços é a única opção possível, para outros é um estilo de vida. O movimento das mini casas (Tiny Houses, em inglês) já existe há muito tempo, mas a procura aumentou no último ano com a pandemia, segundo a arquiteta Camilla Pereira, do escritório Porto Quadrado. Saiba mais sobre a experiência de investir em espaços menores.

- Publicidade -
Sair da versão mobile