Ícone do site

Julho Sem Plástico: 12 dicas para afastar o material das crianças

Aproveite o mês de férias para promover o contato com a natureza e o brincar ao ar livre – sem precisar de brinquedos de plástico

Published 01/07/2022
crianças natureza

Foto: Scott Webb | Unsplash

Entramos em julho, mês da campanha global Julho Sem Plástico que tem como objetivo diminuir o uso e o descarte de plástico no planeta. Esse movimento começou em 2011 com a ONG australiana ‘Plastic Free Foundation’pedindo para as pessoas  evitarem o uso de plásticos descartáveis, de uso único ou de curto prazo durante o mês. O sucesso da iniciativa ganhou adeptos por todo o mundo.

Aproveitando essa mobilização, Educando Tudo Muda  propõe a reflexão sobre a presença do plástico no brincar da criança, e o desafio do brincar sem plástico. Para isso sugerimos algumas ações com foco na redução da produção e consumo desse material e incentivo ao brincar livre na e com a natureza.

A poluição plástica é hoje uma das principais causas de agressão ao meio ambiente e à saúde dos seres viventes. Pesquisa recente do Instituto Alana, conduzida pelo Grupo de Estudos e Pesquisa em Química Verde, Sustentabilidade e Educação (GPQV), da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), apresenta importantes dados que alertam sobre o brinquedo de plástico e seu impacto na saúde da criança e do meio ambiente.

Foto: National Cancer Institute | Unsplash

Muitos utensílios infantis de uso diário são feitos desse material: mamadeiras, chupetas, copos, pratos e principalmente brinquedos. Sabemos que 90% dos brinquedos fabricados no mundo são feitos de plástico e que nem todo tipo de plástico é adequado para a produção de brinquedos. Algumas substâncias utilizadas na fabricação desses produtos são potencialmente tóxicas, cancerígenas e causadoras de distúrbios hormonais nas crianças, segundo a mesma pesquisa.

Sabemos o quanto brincar é fundamental para o desenvolvimento infantil e a saúde da criança. E não existe lugar mais benéfico para isso do que ao ar livre, em contato com a natureza. Nela encontramos os estímulos mais ricos e completos para o desenvolvimento integral da criança.

Foto: Markus Spiske | Unsplash

Brincar em espaços naturais coloca a criança diante do potencial lúdico da natureza e expõe os pequenos à riqueza e diversidade dos elementos naturais, propiciando infinitas possibilidades de brincadeiras e invenção dos próprios brinquedos com o que a natureza oferece – gravetos, sementes, folhas, etc, como faziam nossos antepassados.

Como mudar hábitos e promover o brincar sem plástico?

A mudança começa com pequenas atitudes, e cada um de nós pode fazer a diferença. Comece analisando a quantidade de brinquedos de plástico que você tem em casa. Isso também é válido para as escolas, principalmente as escolas de Educação Infantil.

Confira nossas sugestões:
  1. Promova o brincar livre na natureza – no quintal de casa, jardim, praças ou parques públicos
  2. Incentive as crianças na criação de seus próprios brinquedos, como faziam nossos antepassados, utilizando elementos naturais: gravetos, sementes, folhas, pedras. Vale também papelões, rolhas, tecidos, revistas e jornais – reutilize esses materiais.
  3. Opte por outros materiais ao adquirir brinquedos novos para as crianças, como os brinquedos artesanais, educativos – brinquedos de madeira de reflorestamento, de feltros, bonecas de pano, etc.
  4. Reduza os brinquedos plásticos deixando disponíveis apenas aqueles com os quais a criança brinca com maior frequência, os seus favoritos
  5. Dê um novo destino aos brinquedos mais velhos ou aqueles com os quais a criança não brinca mais, doando-os para instituições. Isso prolongará a vida útil do brinquedo, evitando o descarte
  6. Faça os brinquedos circularem entre as crianças organizando feiras de trocas
  7. Incentive o empréstimo de brinquedos entre amigos da escola, vizinhança e familiares
  8. Adote a prática do brinquedo coletivo entre irmãos e primos, valorizando o acesso em detrimento da posse
  9. Leve os brinquedos quebrados aos hospitais de brinquedos para serem recuperados ou doe para serem customizados
  10. Descarte adequadamente os brinquedos que não têm mais conserto e/ou cobre dos fabricantes a logística reversa
  11. Converse com sua família e amigos sobre o movimento brincar sem plástico e comunique a sua decisão de reduzir o uso de brinquedos de plástico para obter apoio
  12. Compartilhe em suas redes sociais fotos, vídeos de dicas de brinquedos feitos de outros materiais, e das crianças brincando na e com a natureza usando #brincarsemplastico para atrair mais adeptos
Foto: Kelly Sikkema | Unsplash

Brincar sem plástico é sem dúvida um grande desafio para as famílias e para as escolas. Sabemos que não eliminaremos o plástico de nossas vidas totalmente, mas podemos refletir sobre seu uso, nossas escolhas e o consumo de maneira ética.  Precisamos nos unir por um mundo com menos resíduos, em prol da saúde da criança e do planeta. Adote o brincar sem plástico em sua casa e em sua escola, e incentive o brincar na e com a natureza.

Foto: Ksenia Makagonova | Unsplash

LEIA MAIS: