- Publicidade -

6 dicas práticas para controlar a ansiedade

Algumas mudanças no cotidiano podem auxiliar na redução da ansiedade.

controlar ansiedade
Foto: Diana Simumpande | Unsplash
- Publicidade -

A pandemia alterou as rotinas das pessoas no dia a dia e interferiu negativamente em suas emoções e pensamentos. Por isso, nestes quase 15 meses, no mundo todo, a saúde mental da população passou a ser um tema central e amplamente debatido por corporações, profissionais e entidades do setor. E, dentro deste cenário, um dos sintomas mais visíveis e preocupantes é o aumento de pessoas sofrendo com a ansiedade.

“A ansiedade tem uma relação direta com o tempo. É a nossa mente focada não no presente, mas no que vai acontecer no momento seguinte, seja ele próximo ou distante. A gente quer controlar o que vai acontecer no futuro, e faz isso com medo. Será que as coisas vão acontecer do jeito que eu quero?”, exemplifica a terapeuta Catia Simionato, responsável pelo Canal Ser Felicidade.

“Isso acontece, por exemplo, quando assistimos a um filme de suspense. Repare que a gente não sabe o que vai acontecer e, por isso, sentimos medo, mudamos a nossa forma de respirar, nossos ombros ficam tensos e até perdemos o contato dos pés com o chão, prejudicando o fluxo da nossa energia interna. Diante dessa situação, nosso cérebro, inconscientemente, entende que estamos enfrentando um perigo real e nos coloca nessa posição instintiva de lutar ou fugir. A ansiedade causa isso tudo na gente”, acrescenta Catia.

Quando a ansiedade atrapalha nossas atividades diárias é o momento de ficar atento.
- Publicidade -

Um bom exemplo de como a ansiedade avança perigosamente pelo planeta é um estudo divulgado pela tradicional revista científica The Lancet, no Reino Unido. Segundo a pesquisa, em 2020 foram registrados cerca de 76 milhões de novos casos de ansiedade em todo o mundo. Esse número indica um crescimento de 26% sobre os casos relatados no ano anterior.

Um dos riscos da ansiedade elevada é causar doenças físicas: as chamadas doenças psicossomáticas

Catia Simionato

“Um dos riscos da ansiedade elevada é deixar a pessoa em um estado emocional tão afetado que pode até causar doenças físicas. São as chamadas doenças psicossomáticas, quando nossas emoções são somatizadas e atacam diretamente o nosso corpo. Essas doenças começam na mente e depois dominam nossas emoções. E, na maioria das vezes, são apenas histórias que criamos a respeito do futuro porque a gente não sabe nada a respeito do futuro”, afirma a criadora do Canal Ser Felicidade.

Controlar a ansiedade é possível, mas o principal desafio é se manter o máximo possível vivendo o momento presente, sem se deixar levar pelos medos e histórias que a mente nos conta o tempo todo. 

É importante uma avaliação médica para identificar o melhor tratamento, mas algumas mudanças no cotidiano podem auxiliar na redução e controle da ansiedade. Catia Simionato sugere 6 dicas simples e práticas, confira abaixo:

Colocar a atenção nos cinco sentidos. Colocar a atenção em cada um dos cinco sentidos é um jeito fácil de manter o estado de presença. Usar o tato, por exemplo, para perceber a temperatura e a textura de um objeto. Estimular o olfato com incensos ou odorizadores de ambientes. Despertar mais o paladar saboreando melhor as refeições, observando os sabores diferentes entre um alimento e outro.

Foto: Pablo Merchán Montes | Unsplash

Ouvir uma boa música, ou mesmo cantar e dançar, ajudam a desenvolver a audição. E, por fim, a visão. Na natureza é mais fácil estimular esse sentido, apreciando uma bela paisagem, com uma praia ou uma montanha, por exemplo. Mas, mesmo em casa ou na rua, é possível procurar pela beleza que toca o coração de cada um.

Sentir os pés no chão. Essa dica traz mais resultados se for feita na natureza, caminhando na grama, terra, areia ou mesmo sobre grandes pedras ou rochas, mas também é possível praticá-la em casa.

Foto: Imani Bahati | Unsplash

É preciso ficar descalço, com os dois pés apoiados no chão, e colocar a atenção na textura do piso, nas suas irregularidades e sentir se ele é quente ou frio, por exemplo.

Comparar o medo com o que realmente está acontecendo no presente. Mesmo se algo de ruim estiver realmente acontecendo, é importante saber como lidar com a situação. Se são contas que não podem ser pagas, por exemplo, a pessoa precisa aceitar essa realidade com mais serenidade. E simplesmente não pagar as contas.

Foto: Glenn Carstens-Peters | Unsplash

A partir disso, deve procurar um jeito de resolver essa situação, mas com um plano prático e objetivo, sem ficar especulando sobre os piores cenários possíveis. Neste exemplo, a solução pode ser definir uma estratégia para procurar um emprego, estabelecer uma meta realística para economizar dinheiro ou mesmo estar aberto a uma mudança de padrão de vida para encontrar mais tranquilidade e equilíbrio.

Veja também: Ansiedade atinge 69% dos consumidores com dívidas atrasadas.

Respirar melhor. A ansiedade “encurta” a respiração, que fica mais concentrada na parte alta do pulmão, e isso não é saudável, deixando a pessoa num estado permanente de “alerta”, como se estivesse sob perigo iminente. Uma dica simples é realizar pelo menos uma longa respiração (durante uns 15 segundos, aproximadamente) por hora, enchendo bem os pulmões de ar.

Meditar. Entre muitos outros benefícios, a prática diária da meditação é altamente recomendável para controlar a ansiedade, por ser uma excelente ferramenta para nos conectar com o presente. Meditação significa tirar a atenção da enxurrada de pensamentos da mente e colocar a atenção em outra coisa. O mais simples de qualquer meditação é simplesmente direcionar a atenção para a respiração. Isso coloca a pessoa no momento presente e, quando isso acontece, a mente tende a desacelerar e até silenciar completamente. 

Foto: Madison Lavern | Unsplash

O ideal é começar com alguns minutos apenas. Não é fácil tirar a atenção da mente. Por isso, a pessoa deve começar a meditar de um a três minutos nas primeiras sessões, colocando toda a sua atenção na respiração. E, quando estiver confortável, dias depois, aumentar para 5, depois para 7 minutos e assim por diante. Uma dica é a caminhada meditativa, que ela mesma pratica. A ideia é caminhar diariamente por qualquer lugar uns 10, 15 ou 20 minutos, prestando muita atenção no que encontrar pelo caminho, como se fosse a primeira vez que a pessoa vê tudo aquilo. Isso vai tirar a atenção da mente e levar para as coisas ao redor.

Veja também: 9 dicas para meditar mais e melhor | Meditação ajuda a reduzir depressão, ansiedade e dores crônicas

Exercitar-se. A prática regular de exercícios físicos é fundamental para a saúde física e mental. Além de ajudar a prevenir doenças, proporciona a sensação de bem-estar e relaxamento, que contribuem com a qualidade de vida. O sedentarismo ainda leva a maiores taxas de ansiedade. A prática esportiva também contribui para manter a pessoa no estado de presença por mais tempo.

Foto: Benn McGuinness | Unsplash

Veja também: Praticar exercícios pode reduzir estresse e ansiedade

Confira mais dicas para controlar a ansiedade:

5 alimentos que auxiliam no combate a ansiedade

6 maneiras naturais de combater a ansiedade

Contato com a natureza previne ansiedade, depressão e estresse

- Publicidade -

Ao navegar neste site você concorda com a nossa Política de Privacidade e uso de cookies para melhorar a sua experiência.

Ok
Sair da versão mobile