- Publicidade -

Cartilha traz exercícios para melhorar dor de cabeça e pescoço

Material gratuito foi desenvolvido pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto

cartilha dor de cabeça
Imagem: Reprodução | Cartilha de Orientação: Dores de Cabeça e Pescoço
- Publicidade -

Por Giovanna Grepi | Jornal da USP

Se você teve um dia difícil ou uma noite mal dormida pode sentir a chegada da temível dor de cabeça. Apesar da condição ser muito comum, as causas podem ser diferentes. Afinal, a Sociedade Brasileira de Cefaleia estima que existem mais de 150 tipos de cefaleia e um exemplo bem conhecido é a enxaqueca, que pode ser incapacitante e diminuir a qualidade de vida de quem sofre com ela.

Para levar mais informações sobre a condição para a população, o Grupo DTM e Cefaleia da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP desenvolveu, em parceria com a farmacêutica Allergan da Abbvie, a Cartilha de Orientação: Dores de Cabeça e Pescoço.

- Publicidade -

O material gratuito reúne dicas para o entendimento da dor, como ter uma rotina de cuidados e dicas de exercícios físicos, alongamentos e automassagem que auxiliam na melhora da dor.

“O tratamento da cefaleia vai depender do tipo de dor e os remédios prescritos pelo médico devem ser usados exatamente como recomendados. Mas, isoladamente, podem não funcionar, uma vez que a dor de cabeça pode estar associada a outras condições, como alterações ou disfunções musculoesqueléticas. Para ter melhora do quadro, é necessário adotar hábitos saudáveis, usar ferramentas de autocuidado e buscar a orientação da fisioterapia”, conta a professora Debora Grossi, professora da FMRP, fisioterapeuta e coordenadora do Grupo DTM e Cefaleia.

Imagem: Reprodução | Cartilha de Orientação: Dores de Cabeça e Pescoço

Como há diversas causas e tipos, é necessário procurar um médico especialista, preferencialmente um neurologista, para receber o diagnóstico e o tratamento adequado. Durante a consulta, o profissional precisará entender diversos aspectos, como: frequência das crises, sintomas da dor de cabeça, medicamentos utilizados e possíveis suspeitas de fatores que podem desencadear a dor.

“É importante ter ajuda médica o quanto antes, pois quanto mais tempo a dor perdura, mais sensíveis os nervos se tornam. Isso fará com que o sistema nervoso produza a dor com maior facilidade. Também é importante buscar fontes confiáveis de informação para conhecer melhor a dor e consequências para sua saúde física e mental”, afirma a fisioterapeuta.

Dessa forma, o tratamento multidisciplinar da dor de cabeça pode ser muito benéfico para a evolução da dor. Afinal, a condição pode ser desencadeada ou perpetuada por diversos fatores, como má postura, dores cervicais e Disfunção Temporomandibular (DTM), com dores da face e comprometimento da funcionalidade da boca. “O paciente pode conversar com o médico e procurar um fisioterapeuta que possa aplicar um protocolo de tratamento voltado para a dor de cabeça”, completa.

Autocuidado e dor de cabeça

Foto: Christian Erfurt | Unsplash

Apesar de não substituir o atendimento médico e fisioterápico, a professora Débora explica que o paciente pode incluir um protocolo de atividades para promover o autoconhecimento e aliviar os sintomas.

“Uma das estratégias mais recomendadas pelos médicos especialistas é elaborar um diário da dor. Os registros no diário irão ajudar a monitorar e a registrar as características das suas crises, bem como sua frequência e intensidade. Isso irá colaborar para o autoconhecimento”, explica Debora.

Outro recurso que pode ser feito em casa é a respiração profunda que impacta os sintomas de estresse, depressão e ansiedade. “O estresse pode sobrecarregar a musculatura da face, do pescoço e dos ombros. Com isso, essas regiões ficam mais tensas e aumentam a chance de desencadear uma crise de enxaqueca e cervicalgia”, conta Debora.

A cartilha orienta sobre a maneira mais adequada de fazer a respiração profunda, além de ensinar 16 exercícios, alongamentos e automassagem voltados para o relaxamento, equilíbrio e estabilização. Além de ter imagens para mostrar o passo a passo, o grupo também gravou e disponibilizou conteúdos em vídeo.

Postura e a dor de pescoço

A dor no pescoço pode surgir se você faz trabalho repetitivo, tem postura incorreta por períodos longos, teve algum traumatismo na região do pescoço ou está passando por momentos de estresse.

“Quando a pessoa adota uma posição inadequada, porém mais confortável para determinado movimento, de forma contínua, favorece com que se instale um vício postural. Isso aumenta a sobrecarga no sistema musculoesquelético”, explica a professora da FMRP.

Imagem: Reprodução | Cartilha de Orientação: Dores de Cabeça e Pescoço

Dessa forma, a cartilha aponta erros e acertos na postura ao usar computador e celular através de ilustrações. A postura correta envolve o equilíbrio entre todas as estruturas musculoesqueléticas, protegendo partes do corpo responsáveis pela sustentação, como pescoço, ombros, joelhos, coluna e pés.

Para acessar a Cartilha de Orientação: Dores de Cabeça e Pescoço, clique AQUI.

- Publicidade -

Ao navegar neste site você concorda com a nossa Política de Privacidade e uso de cookies para melhorar a sua experiência.

Ok
Sair da versão mobile