- Publicidade -
Início Planeta Meio Ambiente

Paul McCartney na luta contra a caça comercial das baleias

- Publicidade -

Paul McCartney se uniu ao movimento global em defesa das baleias e pela manutenção da proibição internacional da caça comercial desses animais, por meio de um comunicado oficial transmitido pela WSPA – Sociedade Mundial de Proteção Animal.

Em sua declaração, McCartney afirma: “chegou o momento de acabarmos com o abate cruel das baleias, deixando essas maravilhosas criaturas em paz. Em pleno século XXI, como ainda podemos conceber a matança de baleias – ou de qualquer animal – de forma tão bárbara? Os governos devem agir com responsabilidade e proteger esses belos seres.”

Iniciou-se ontem em Agadir, no Marrocos, o 62º encontro anual da Comissão Internacional da Baleia (CIB). Paul McCartney e a WSPA condenam veementemente a polêmica proposta que, na prática, acaba com a proibição internacional da caça comercial de baleias e permite que cerca de 1.400 animais sejam mortos no próximo ano. Esse requerimento descabido, apresentado pelo presidente e vice-presidente da CIB, deve ser votado pelas 88 nações-membro da Comissão ainda nesta semana. 

- Publicidade -

A gerente de programas para mamíferos marinhos da WSPA, Joanna Toole, afirmou: “Numa perversa tentativa de salvar algumas baleias, a CIB está considerando assinar um mandado de morte para quase 13 mil cetáceos, pelos próximos 10 anos. Esta equivocada proposta ressuscitaria a indústria da caça e seria um grande passo contra o bem-estar e conservação desses animais.”

A proposição endossaria a matança, a cada ano, de mais de 760 baleias Minke e Fin pela Noruega e pela Islândia, no norte do Atlântico. Contrariamente às alegações feitas pelos criadores da proposta, esta não significaria uma redução no número de baleias mortas, mas sim legitimaria uma indústria inaceitável e desumana.

“Recente vídeo da WSPA mostra a brutal realidade da caça comercial de baleias. (assista ao vídeo abaixo) Usar arpões explosivos para ferir animais – que acabam agonizando até a morte – não é algo que uma sociedade avançada possa aceitar. Todos os olhos se voltam agora para Agadir, onde se discute a legalização dessa crueldade contra os animais”, argumentou Toole.   

A WSPA e outros membros da rede Whalewatch estão trabalhando junto às nações-membro da CIB para que descartem a proposta. Encorajando-os, por outro lado, a optarem por uma postura mais sustentável, fazendo da CIB um organismo em prol da conservação e do turismo de observação de baleias. 

Paul McCartney conclui que “a melhor forma de nos relacionarmos com as baleias é por meio da observação desses animais e não através da caça”.

[VIDEO:a_crueldade_da_caca_as_baleias_na_noruega]

Para mais informações acesse o site da WSPA Brasil

Fonte: WSPA Brasil

- Publicidade -

Ao navegar neste site você concorda com a nossa Política de Privacidade e uso de cookies para melhorar a sua experiência.

Ok
Sair da versão mobile