Foto: LACoFireAirOps

Uma onda de incêndios na Califórnia obrigou a evacuação de mais de 180 mil pessoas no estado. Os focos se espalharam na região do Condado de Sonoma, ao norte da cidade de São Francisco, reforçados por fortes ventos que atingem a região. Em Los Angeles, segundo maior metrópole dos EUA, um incêndio teve início ao longo de uma importante rodovia na última segunda-feira (28).

Mais de 10 mil residências e empresas receberam ordens de evacuação em Los Angeles. Segundo o prefeito da cidade, Eric Garcetti, ao menos cinco casas foram queimadas. Várias escolas cancelaram suas aulas.

Interestadual 405: uma das principais rodovias interestaduais norte-sul do sul da Califórnia.

A companhia elétrica Pacific Gas & Electric, de São Francisco, realiza apagões programados para evitar mais incêndios. Mas, o governador da Califórnia, Gavin Newsom, critica a ação. “Seus anos e anos de ganância e má gestão acabaram. Esses cortes de energia em massa são inaceitáveis”, afirmou em sua conta pessoal pelo Twitter.

Incêndios florestais da Califórnia a partir da estação espacial. | Foto: NASA/Andrew Morgan

Na última segunda-feira (28), o Serviço Nacional de Meteorologia dos EUA afirmou que as condições meteorológicas não devem melhorar até sexta-feira. “Ventos fortes no mar de até 100 km/h e baixa umidade aumentam os riscos de incêndios florestais que crescem rapidamente. Ouça as autoridades locais e relate imediatamente quaisquer novos incêndios”, alerta o órgão.

Até agora já foram devastados 267 km², além de dezenas de casas. Como já é de praxe, residências de famosos também estão no perímetro do fogo. O jogador de basquete LeBron James e o ator e político Arnold Schwarzenegger foram uns dos que tiveram de deixar suas casas.

A população pode acompanhar a situação dos focos de incêndio em um mapa online. Até o momento não há registro de vítimas.

Instituições têm usado as redes sociais para orientar a população:

“Se for solicitado a evacuar, não espere! Os incêndios podem se espalhar rapidamente nessas áreas”, alerta o Serviço Nacional de Meteorologia dos EUA.