- Publicidade -
Início Planeta Meio Ambiente

2022 começa com 8.219 km2 de alertas de desmatamento na Amazônia

Pelo 3º ano seguido, os alertas superam os 8.000 km2

desmatamento Amazônia
Vista aérea de um desmatamento na Amazônia para expansão pecuária, em Lábrea, Amazonas. Foto: © Victor Moriyama | Amazônia em Chamas
- Publicidade -

Dados do sistema Deter-B, do Instituto de Pesquisas Espaciais (INPE), divulgados nesta sexta-feira (07), mostram que de janeiro a dezembro de 2021 foram registrados 8.219 km² de alertas de desmatamento na Amazônia. É o terceiro ano seguido em que os alertas superam os 8.000 km2, o que não havia ocorrido em nenhum ano anterior ao atual governo.

Apesar da pequena queda de 2,3% em relação ao ano passado, a média de desmatamento registrada ao longo dos três anos do governo Bolsonaro (8.604 km²) é 77% maior em comparação aos três anos anteriores (4.844 km²).

“Infelizmente, em relação aos alertas de desmatamento, o novo ano começa como foram os últimos três. A destruição da Amazônia e outros ecossistemas naturais não só não é combatida pelo governo, como é impulsionada por atos, omissões e conluios com os setores mais retrógrados da nossa sociedade que primam o lucro e a economia da destruição, agravando cada vez mais a crise climática que vivemos na atualidade”, afirma Rômulo Batista, porta-voz da campanha de Amazônia do Greenpeace Brasil.

Balsas de garimpo são vistas no rio Madeira próximo a Porto Velho. Foto: Bruno Kelly | Amazônia Real
- Publicidade -

Quando são analisados somente os alertas para mineração, em sua grande parte causada por garimpos ilegais, o número é ainda mais assustador. Pela primeira vez, o sistema registrou uma área de alertas de 121 km² para esta atividade, um aumento de 20% em relação ao ano anterior e o equivalente a 17 mil campos de futebol destruídos – uma média de 47 a cada dia.

“Nesta mesma semana, também foi divulgado pelo INPE um aumento de 7,9% no desmatamento do cerrado, que já teve 50% de sua área devastada, e anunciada a extinção por falta de verba do programa de monitoramento deste que é o segundo maior bioma brasileiro. Esses números são reflexos da política antiambiental do governo Bolsonaro e de suas ações comprovadamente ineficazes em conter a destruição das florestas”, complementa Batista.

Os números também expõem as escolhas de seus aliados no Congresso Nacional, que tentam aprovar Projetos de Leis que ameaçam as florestas e seus povos, como é o caso do PL 2633, conhecido como “PL da Grilagem”, que visa premiar grileiros ao reduzir a margem de proteção de rios em áreas urbanas, e o PL 490, que inviabiliza demarcações de Terras Indígenas e escancara os territórios para atividades econômicas predatórias. Projetos como estes estimulam e intensificam a corrida de madeireiros, grileiros, fazendeiros e garimpeiros pela ocupação ilegal e destruição da Amazônia.

- Publicidade -

Ao navegar neste site você concorda com a nossa Política de Privacidade e uso de cookies para melhorar a sua experiência.

Ok