Ícone do site

ONU Brasil pede maior proteção para yanomamis

Em nota, organização destacou profunda preocupação com o povo yanomami, vítima de graves casos de violência e abuso

Published 10/05/2022
onu yanomami

Yanomami fotografada em 2018. Foto: © Alejandro Zambrana | Sesai

Na última sexta-feira, dia 6 de maio de 2022, o Sistema ONU no Brasil divulgou uma nota externando profunda preocupação com a situação do povo yanomami, que vem sofrendo com reiterados casos de violência.

A Organização alertou para a violação de direitos humanos deste povo, lembrando que, de acordo com as normativas internacionais ratificadas e adotadas pelo Brasil e a Constituição Federal, cabe ao Estado a proteção de toda a população indígena residente no país.

O Sistema ONU colocou-se à disposição para apoiar o aprimoramento de planos e políticas públicas que enfrentem as raízes dos problemas e proponham soluções duradouras e sustentáveis para acabar com os conflitos e garantir a paz nas terras indígenas.

Na nota, estão destacados os constantes casos de violência e abuso enfrentados pelos povos originários, em especial envolvendo a invasão de suas terras pelo garimpo ilegal.

Foto: Victor Moriyama | ISA

“O Sistema ONU no Brasil externa profunda preocupação com a situação do povo yanomami, que vem sofrendo com reiterados casos de violência e abusos. As denúncias feitas nos últimos meses sobre mortes e desaparecimento de pessoas yanomami demandam urgente averiguação por parte das autoridades, para que seja garantida a proteção da população que ocupa a maior terra indígena do país, entre os estados de Roraima e Amazonas.

De acordo com autoridades federais, entidades da sociedade civil e organismos internacionais, a Terra Indígena Yanomami sofre continuamente com invasões de garimpeiros, o que provoca a destruição do ecossistema local, a disseminação de doenças, agressões a moradores e diversas violações de direitos humanos, incluindo denúncias de assédio e abuso sexual.

Os relatos apontam ainda que as atividades do garimpo ilegal têm contaminado rios e territórios, levando ao aumento da desnutrição e ao agravamento das condições de saúde. Agências Especializadas, Fundos e Programas que integram o Sistema ONU no Brasil estão especialmente preocupados com os impactos diferenciados para mulheres e crianças indígenas.

Mulheres Munduruku da Aldeia Sawre Apompu pescam em rio contaminado por mercúrio. Foto: Julia H

O Sistema ONU alerta para a violação de direitos humanos do povo yanomami e lembra que, de acordo com as normativas internacionais ratificadas e adotadas pelo Brasil e a Constituição Federal, cabe ao Estado a proteção de toda a população indígena residente no país.”

Para deixar claro quais são as normativas internacionais ratificadas e que deveriam ser respeitadas no Brasil, a nota esclarece quais são elas:

Além de reforçar a necessidade de uma investigação efetiva “para que as vítimas e os familiares sejam reparados e para que casos semelhantes de violência não mais aconteçam”, o Sistema ONU se colocou à disposição para colaborar com o aprimoramento de planos e políticas públicas “que sejam desenvolvidas em consulta com a população local para acabar com os conflitos e garantir a paz nas terras indígenas”.

Área de garimpo conhecido como “Tatuzão” na Terra Indígena Yanomami. Foto: Bruno Kelly | Amazônia Real

LEIA MAIS: