O BioCarbon é uma ferramenta que promete ser de grande valia no combate ao desmatamento. O drone, criado pela empresa britânica BioCarbon Engenharia, foi planejado para espalhar sementes e ajudar a recompor áreas devastadas.

“Estamos caminhando para combater o desmatamento em escala industrial, utilizando o reflorestamento em escala industrial. A destruição das florestas mundiais por conta da extração de madeira, minerais, agriculta e expansão urbana destrói 26 bilhões de árvores a cada ano. Acreditamos que esse desmatamento em grande escala é melhor combatido utilizando as mais recentes tecnologias de automação”, explica o site da empresa.

O drone desenvolvido pela companhia possui alguns diferenciais, pensados especificamente para torná-lo eficiente em termos de plantio. A BioCarbon acredita que o sistema seja capaz de plantar, anualmente, um bilhão de novas árvores.


Lauren Fletcher é o idealizador do projeto. l Foto: Divulgação/BioCarbon Engineering

O funcionamento é simples e segue uma lógica semelhante à da própria natureza, com as aves espalhando as sementes pelos locais por onde passam. O equipamento utiliza um sistema inicial de coleta de dados, que reúne informações detalhadas do terreno e da geografia da região desmatada. Depois disso é que inicia-se o processo de disseminação das sementes, assim como acontece com os pássaros.

Além de ser muito mais rápido do que o plantio manual, o sistema custa apenas 15% do valor dos modelos tradicionais. Com a tecnologia, é possível espalhar milhares de sementes todos os dias.

Ao contrário do que possa parecer, as sementes germinadas não são despejadas aleatoriamente. O drone é altamente preciso. Assim, além de espalhar as sementes, a estrutura possibilita uma riqueza de detalhes durante todas as etapas do acompanhamento do plantio. O monitoramento das áreas é constante, ajudando a elevar a eficiência do reflorestamento.

A equipe de criação da BioCarbon conta com profissionais altamente capacitados, de áreas como engenharia, biomecânica, geografia, ciências naturais e física, incluindo um ex-engenheiro da Nasa, Lauren Fletcher. O sistema já está em fase final de produção e a empresa espera disponibilizá-lo ainda neste ano.

Confira como funciona a tecnologia no vídeo abaixo (em inglês):

Clique aqui para saber mais sobre o projeto.

Redação CicloVivo

Avatar
Arquiteta e urbanista com formação em desenvolvimento sustentável pela University of New South Wales, em Sidney, Austrália. Fundou o CicloVivo em 2010 com a proposta de falar sobre sustentabilidade de forma divertida e descomplicada. Acredita que o bom exemplo é a melhor maneira de influenciar pessoas e que a simplicidade é a chave para vivermos em harmonia.