- Publicidade -

Google inaugura campus com 90 mil painéis solares em teto de “escama”

Os painéis instalados são capazes de capturar o poder do sol de vários ângulos.

campus google
Foto: Iwan Baan
- Publicidade -

O Google tem a meta de operar com energia totalmente livre de carbono até 2030 e está apostando alto para alcançá-la. Na última terça-feira (17), inaugurou o Bay View: novo campus da empresa na Califórnia (EUA) com nada menos que 90 mil painéis solares.

A energia solar do campus será capaz de gerar quase 7 megawatts de energia – suficiente para fornecer até 40% da energia necessária para os novos escritórios. Os parques eólicos próximos também ajudarão a abastecer o local.

Para tanto, buscou-se maximizar a quantidade de energia solar que o edifício poderia capturar. Asim Tahir, líder Distrital e de Energia Renovável do Google, explica que foi preciso pensar além dos painéis solares retangulares tradicionais “para criar algo que equilibrasse forma e função”. 

Foto: Iwan Baan
- Publicidade -

Tahir é um dos responsáveis pelo projeto inusitado do teto solar em forma de “Escama de Dragão”. “O telhado solar é o resultado de anos de desenvolvimento de produtos, colaboração com um punhado de parceiros e análise de protótipos de fabricantes de toda a Europa. Não foi fácil”, salienta. 

Foto: Iwan Baan
Foto: Iwan Baan

O modelo consiste em painéis capazes de gerar energia durante um período prolongado do dia, uma vez que pode capturar o poder do sol de vários ângulos. 

Por dentro do campus

A área interna do novo campus do Google é dividida em espaços para reunião e colaboração entre equipes e espaços mais protegidos de som e movimento para momentos em que o foco se faz necessário. O objetivo foi atender ao pedido dos próprios funcionários, uma vez que os espaços totalmente abertos são a marca do Google. 

Foto: Iwan Baan

Unindo técnicas sustentáveis e a preocupação em criar um ambiente agradável de trabalho, o projeto do campus buscou implementar os melhores elementos para garantir a iluminação natural, qualidade do ar, conforto térmico e acústico.

Foto: Iwan Baan

Confira abaixo destaques em tais quesitos:

  • O campus incorpora princípios de design biofílico – como vegetação, luz natural e vistas externas de todas as mesas – para melhorar a saúde e o bem-estar dos que estão dentro.
  • As janelas modulam a luz direta nas mesas com persianas automatizadas que abrem e fecham ao longo do dia.
  • O sistema de ventilação usa 100% do ar externo – uma conquista notável quando você considera que um sistema típico usa apenas cerca de 20-30% do ar externo.
  • Para criar o ambiente mais saudável possível, materiais de construção e produtos diversos foram escolhidos a dedo para remover toxinas. Carpetes, tintas, tubulações, compensados ​​e móveis são exemplos de itens examinados. 
  • A estrutura também possui a maior instalação geotérmica da América do Norte, que ajudarão a aquecer e resfriar o campus. Tal sistema usa bombas para absorver o calor do solo durante o inverno e enviar calor para o solo no verão.
  • A geotérmica ainda vai reduzir a quantidade de água normalmente usada para resfriamento em 90% – o que equivale a cinco milhões de galões de água anualmente.
Foto: Iwan Baan

Desenvolvida inteiramente pelo próprio Google, a estrutura é um modelo a ser seguido por grandes companhias. “Esperamos que compartilhar nossa abordagem de misturar design, estética e fabricação inspire mais projetos como este”, conclui Asim Tahir. 

Foto: Iwan Baan
Foto: Iwan Baan

LEIA TAMBÉM

- Publicidade -

Ao navegar neste site você concorda com a nossa Política de Privacidade e uso de cookies para melhorar a sua experiência.

Ok