Um estudo publicado pelo revista canadense de medicina Canadian Medical Association Journal revelou que produtos de limpeza usados em casa podem estar fazendo crianças ter sobrepeso. O estudo analisou a flora intestinal de 757 bebês de 3 e 4 meses e seus pesos entre as idades de 1 e 3 anos, observando sua exposição a produtos como desinfetantes, detergentes e produtos ecológicos.

Usando gráficos de índice de massa corporal (IMC) da Organização Mundial da Saúde, estudiosos do Canadá avaliaram a taxa de nascimento de micróbios nos materiais fecais das crianças, que foram recolhidos pela Canadian Healthy Infant Longitudinal Development (CHILD), centro canadense para desenvolvimento infantil.

Resultado

Os resultados mostraram que bebês de 3 a 4 meses de idade tinham a flora intestinal alterada devido a exposição à desinfetantes, principalmente os multi-uso. Foram constatados níveis baixos das bactérias Haemophilus (causa meningite) e Clostridium (causa colite), mas níveis mais altos de Lachnospiraceae. Esta última também foi achada em grande quantidade quando a criança era exposta frequentemente a produtos de limpeza. O mesmo efeito não foi observado nas crianças expostas à detergentes e produtos ecológicos.

“Descobrimos que crianças que viviam em casas onde desinfetantes eram usados semanalmente tinham duas vezes mais chances de terem micróbios intestinais do tipo Lachnospiraceae dos 3 a 4 meses de idade. Aos 3 anos de idade, o IMC dessas crianças eram maiores do que de crianças que não foram expostas ao uso doméstico de desinfetante quando bebês”, disse Anita Kozyrskyj, professora de pediatria da Universidade de Alberta.

Produtos ecológicos e alimentação saudável

Ainda de acordo com o estudo, os bebês que viviam em domicílios onde eram usados produtos ecologicamente corretos tinham microbiota diferente e eram menos propensos a ter sobrepeso quando ficassem um pouco maiores. “No entanto, não achamos nenhuma evidência que essas mudanças na flora intestinal sejam responsáveis pela redução no risco de obesidade”, disse a professora.

A profissional sugeriu que o uso de produtos eco-amigáveis talvez tivesse uma ligação mais ampla com o estilo de vida e hábito alimentício da mãe, o que poderia contribuir para a saúde do microbiota intestinal e peso das crianças.

Conclusão do estudo

Os autores do estudo afirmaram que “Produtos de limpeza antibacterianos têm a capacidade de alterar o microbiota ambiental e alterar o risco de excesso de peso infantil. Nosso estudo fornece novas informações sobre o impacto desses produtos na composição microbiana do intestino infantil e nos resultados do excesso de peso na mesma população”, escreveram no relatório.

Emily Santos é aluna de Jornalismo, tem paixão por animais, pela natureza e por livros. Caçula de seis irmãos, criada na Bahia, ela retornou à metrópole paulistana para cursar faculdade e descobrir novos horizontes.