Uma das minhas diretrizes foi sempre escolher com cuidado os ingredientes e fazer comida de verdade, ou seja, vocês não vão encontrar nada de super processados em minha cozinha. Mas a transição para uma alimentação sem nada de origem animal foi uma mudança e tanto na minha vida (e na minha cozinha!). E neste sentido o blog tem sido uma espécie de “diário de bordo” compartilhando as receitas  e ingredientes que frequentam a minha cozinha atualmente. Algumas receitas como a do nhoque de mandioquinha com farinha de arroz são um desafio.

Perdi a conta de quantas vezes tentei esta receita até conseguir com que os bolinhos não desmanchassem na panela na hora de jogá-los na água quente. Acaba sendo divertido e sobretudo desafiador. O gosto de qualquer prato é incrível quando a gente consegue que dê certo!

Minha dica para fazer o nhoque é não exagerar na farinha de arroz. Adicione a farinha aos poucos e amasse com as mãos, sentindo o ponto exato em que a massa permite que se moldem os rolinhos. Mais do que um número exato, é preciso aprender a sentir com as mãos.

Servi os nhoques com o meu molho de tomate favorito e super “pedaçudo” e alguns raminhos de tomilho da hortinha da varanda.

Nhoque de mandioquinha sem glúten

Dois ingredientes para um nhoque incrível e super leve: mandioquinha e farinha de arroz.

Ingredientes

500 g de mandioquinha cozida e espremida

3/4 a 1 xícara de farinha de arroz + para polvilhar a bancada

Sal

Modo de fazer

Coloque a mandioquinha em uma tigela, junte a farinha de arroz aos poucos e misture até a massa ficar homogênea.

Polvilhe uma superfície lisa e limpa com um pouco da farinha. Forme rolinhos com porções da massa. Corte em pedaços e amasse com um garfo. Reserve.

Enquanto isso coloque água para ferver em uma panela grande. Coloque os nhoques na água aos poucos. Quando subirem retire com uma escumadeira.

Espalhe os nhoques em uma travessa refratária, sobre uma camada do molho com o qual vai servir. Cubra com o restante do molho.