O que começou com um tom de brincadeira no ano passado por dois canadenses, Troy Paquette e Moisés Lam, se tornou um negócio lucrativo. A dupla está vendendo ar enlatado, especificamente ar fresco das montanhas cristalinas do Parque Nacional de Banff e do Lago Louise, localizados em Alberta, Canadá.

1852_961044197300357_7358451690644113103_n(1)
Parque Nacional de Banff, local onde o ar é retirado para ser engarrafado. | Foto: iStock by Getty Images

Pode parecer loucura alguém querer comprar ar enlatado, mas a startup encontrou um mercado muito interessado no produto, os chineses.

Essa demanda é fruto do alerta vermelho sobre os altíssimos níveis de poluição que entrou em vigor no dia 8 de dezembro na cidade de Pequim, implicando no fechamento de escolas, restrições no tráfego de veículos, diminuição da atividade industrial e a paralisação da construção civil. Com o aviso do aumento de poluição sem precedentes, também cresceu o número de potenciais consumidores do ‘ar puro enlatado’.

Engarrafado em latas de alumínio escovado, como embalagens de spray aerossol, a empresa Vitality Air, com sede em Edmonton, Canadá, vende as latas online com preços que variam de 14 a 20 dólares americanos, dependendo do tamanho. Também é possível adquirir o ‘pack’ com diversas latas, com preços mais baixos.

vitality_air
Foto: Vitality Air

As tampas plásticas das latas podem ser acopladas a ponta do spray e se transformam em máscaras, para que o ar fique concentrado na região do nariz e da boca.

“A nossa forma de capturar o ar agora é um segredo comercial”, diz Paquette, que vai para as montanhas encher cilindros de compressão gigantes e leva-os para sua sede para engarrafa-los.

“Com a poluição atmosférica muito elevada (…) nós estamos encontrando pessoas interessadas na compra não apenas como uma novidade, mas para o seu uso diário”, diz ele em entrevista ao site Vice News. “Tem havido bastante demanda”.

Ao jornal The Telegraph, Lam afirmou que seu primeiro carregamento de 500 garrafas foi vendido em quatro dias, e uma caixa contendo mais de 4000 unidades está a caminho da China. Além disso, diversos distribuidores chineses já manifestaram o interesse em levar o produto para lojas do país.

As empresas locais também têm lucrado com os perigos da poluição do ar na China, incluindo um restaurante na cidade de Zhangjiagang, perto de Xangai, que começou a pregar uma “taxa de ar limpo” pelo custo de 15 centavos extra na conta de seus clientes.

Redação CicloVivo