O alerta foi feito pelo pesquisador Renato Coutinho, do Instituto de Física Teórica da Unesp. Segundo ele, os reservatórios não secam neste ano, mas se as condições do último verão se repetirem, é possível que o Cantareira seque em 2016.

Para o especialista, a única forma de manter o Sistema, seria reduzir a quantidade de água retirada para o abastecimento e ainda contar com níveis de chuva superiores à quantidade recebida no último verão.

Coutinho esclarece que esta não é uma condição definitiva. Mesmo que o Cantareira chegue ao seu limite, o Sistema pode vir a se recuperar caso ocorram chuvas acima da média. No entanto, não é possível garantir quando isso irá acontecer.

O reservatório é uma das principais fontes de abastecimento da região metropolitana de São Paulo. O seu colapso pode representar problemas graves a boa parte da população.

As informações técnicas disponíveis aos cientistas permitem que sejam realizadas previsões precisas para períodos de até um mês. Os dados são disponibilizados através do projeto “Águas Futuras”.

Clique aqui para acessar a página da iniciativa.

 

Arquiteta e urbanista com formação em desenvolvimento sustentável pela University of New South Wales, em Sidney, Austrália. Fundou o CicloVivo em 2010 com a proposta de falar sobre sustentabilidade de forma divertida e descomplicada. Acredita que o bom exemplo é a melhor maneira de influenciar pessoas e que a simplicidade é a chave para vivermos em harmonia.