Pesticidas usados por apicultoras para melhorar a saúde das abelhas podem estar fazendo justamente o inverso disso. Essa é uma das conclusões de um estudo liderado pelo professor Mark Williams, da Universidade Virginia Tech, nos EUA, e recentemente publicado na revista “Frontiers in Microbiology”.

O que os cientistas identificaram, é que os químicos estão danificando as bactérias presentes nos intestinos das abelhas, o que pode ser muito perigoso para o desenvolvimento das comunidades. Segundo o estudo, a alteração pode afetar a capacidade de metabolização dos açúcares e peptídeos, processos vitais para a saúde das abelhas.

Os pesticidas são, normalmente, usados pelos apicultores com o intuito de livrar as colmeias de parasitas nocivos. “Embora útil para livrar as colmeias de parasitas e agentes patogênicos, os produtos químicos presentes nos pesticidas aplicados podem ser prejudiciais às abelhas”, disse Mark Williams, em informático oficial.

Para a realização da pesquisa, a equipe extraiu dados de abelhas que viviam em colmeias tratadas com pesticidas, sendo três tipos diferentes, e comparou com abelhas criadas de forma orgânica. Foi nesta comparação que os cientistas identificaram a discrepância no intestino das abelhas afetadas pelo pesticida.

Apesar de já ter identificado este problema e isso ser considerado muito grave para a saúde das abelhas, os pesquisadores ainda querem investigar a influência dos pesticidas com mais profundidade.

Clique aqui para acessar o estudo completo.

Redação CicloVivo