Fazer regularmente a limpeza da caixa de gordura e a manutenção em dia evita dores de cabeça dentro de casa e também a poluição dos rios. O alerta é do Departamento de Saneamento e Recursos Hídricos da Secretaria Municipal do Meio Ambiente de Curitiba.

A verificação precisa ser constante. Apesar de que nas caixas de gordura residenciais a limpeza mais pesada pode ser feita de duas a três vezes por ano. É o que orienta o diretor de Saneamento e Recursos Hídricos, Ibson Gabriel de Campos.

“A frequência pode ser maior conforme o uso da cozinha da casa”,  afirma o diretor. A limpeza é relativamente simples, observa. O mecanismo, se instalado corretamente, é acessível e basta abrir a tampa e recolher o resíduo. A gordura fria acaba se solidificando e pode ser armazenada em sacos plásticos e disposta com o lixo comum para a coleta.

Consequências

Se este cuidado não for tomado, a gordura pode impedir o escoamento da água ou se depositar no encanamento. Isso aumenta os riscos de entupimento. A partir daí pode-se ter duas consequências: o esgoto retorna para dentro do imóvel ou provoca rompimento do cano, o que pode causar a poluição dos rios.

Por Prefeitura de Curitiba