O Ministério do Meio Ambiente anunciou nesta quinta-feira (19), que em 2011 o governo investirá R$ 200 milhões em medidas para reverter os efeitos do aquecimento global no país.           

A secretária nacional de Mudanças Climáticas, Branca Americano, informou que o Fundo Nacional de Mudanças Climáticas (FNMC) receberá 66% dos benefícios estatais produzidos pela exploração de petróleo.

Branca, participou da II Conferência Internacional sobre Clima, Sustentabilidade e Desenvolvimento em Regiões Semiáridas (Icid 2010), realizada em Fortaleza. No evento, ela disse que a lei que rege a indústria petrolífera foi modificada para poder beneficiar o FNMC.

O Fundo foi criado no fim de 2009, com o objetivo de destinar uma porcentagem dos lucros gerados pela exploração de petróleo para o combate das mudanças climáticas.

Conforme as expectativas iniciais, o Fundo poderá alcançar investimentos de até R$ 1 bilhão por ano. Os investimentos serão destinados a recuperar locais mais vulneráveis, como as regiões semiáriadas e o litoral brasileiro.

Branca ainda afirmou, que o Brasil deve aproveitar seu potencial natural para reduzir os impactos ambientais no território, principalmente na região Nordeste.

Uns dos mais afetados pelas variações climáticas são os pequenos produtores rurais. O FNMC prevê a criação de programas econômicos direcionados aos pequenos produtores e que se “adequem à nova realidade”.

O Fundo, ainda promoverá atividades sustentáveis, como o sistema de Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação, que estimula empresários a reflorestarem áreas degradas para compensarem a emissão de CO2.

O FNMC, junto com a Empresa Brasileira de Pesquisas Agropecuárias (Embrapa) desenvolverá programas para promover práticas ecológicas na agricultara e assim, reduzir as emissões de gás carbônico.

Com informações da Folha Online

+ Parte da dívida externa brasileira será destinada ao Fundo da Mata Atlântica e Caatinga

+ China fecha 2 mil fábricas para economizar energia

Arquiteta e urbanista com formação em desenvolvimento sustentável pela University of New South Wales, em Sidney, Austrália. Fundou o CicloVivo em 2010 com a proposta de falar sobre sustentabilidade de forma divertida e descomplicada. Acredita que o bom exemplo é a melhor maneira de influenciar pessoas e que a simplicidade é a chave para vivermos em harmonia.