A indústria Erva Mate Gheno, de Concórdia (SC), é primeira ervateira da América Latina a usar energia solar fotovoltaica na produção de chá e erva-mate. O sistema, inaugurado em dezembro de 2017, foi fornecido pela ENGIE e conta com 62 placas fotovoltaicas já instaladas e espaço para mais outras 22 a serem instaladas futuramente.

Os 62 módulos de painéis fotovoltaicos dão uma capacidade total instalada de 16,43 kWp, o suficiente para suprir 100% das necessidades da empresa, e mais seis módulos ainda serão instalados, ampliando a potência para 18 kWp, além de um inversor maior, possibilitando uma margem de ampliação na geração de energia em 36%.

Ao longo de 25 anos de operação, o sistema poderá evitar a emissão de 308.185 kg de CO2, o que equivale a um carro 1.0 ter rodado 174.116 km, 566 árvores terem sido plantadas ou a “Pegada de Carbono” de seis pessoas.

A estrutura que sustenta os painéis solares fica numa área protegida por cercas às margens da estrada. “Os painéis são nosso cartão de visitas. Eles foram instalados em frente à fábrica, bem visíveis por todos, pois estamos muito orgulhosos desse investimento e muito seguros do seu retorno” conta o diretor Gilnei Gheno. “Usamos energia limpa, contribuímos para a preservação ambiental e economizamos energia”, completa.

A ervateira está baseada em Concórdia, cidade do oeste catarinense localizada a 450 km da capital Florianópolis. O sistema fotovoltaico da Erva Mate Gheno é ligado à rede da concessionária Celesc. A sobra da energia que é gerada e não utilizada é depositada na rede e transformada em créditos que serão utilizados pela empresa quando a sua produção for reduzida, como em épocas chuvosas ou à noite. Com ele, a ervateira terá uma redução estimada de 98% na conta da luz, que chegava a 2.500 reais por mês.

O valor economizado será utilizado para quitar as parcelas do financiamento feito no Banco do Brasil para viabilizar a implantação, livrando assim a empresa de ter que mexer no seu fluxo de caixa. O valor investido estará quitado em cinco anos e meio e, a partir daí , a empresa terá a energia praticamente de graça já que o custo de manutenção das placas é baixo, restringindo-se à limpeza e manutenção das estruturas.

Foto: Divulgação

“A energia solar é sem dúvida um recurso plenamente disponível e viável que veio para impulsionar ainda mais o agronegócio brasileiro”, destaca o presidente da ENGIE Geração Solar Distribuída, Rodolfo de Sousa Pinto.

Erva Mate Gheno

A família Gheno iniciou em 2006 uma pequena produção de erva-mate que ainda era processada em fábricas terceirizadas. Em 2011 colocou sua própria estrutura de secagem. Atualmente, cerca de 15% da matéria-prima que utiliza vem do seu próprio cultivo e o restante é adquirido das propriedades vizinhas do entorno do Parque. Embora a empresa possua marca própria no mercado, a Erva Mate Gheno, a maior parte de sua produção é fornecida para a indústria Leão Alimentos de Bebidas que fabrica os chás da marca Matte Leão.