Deve ser liberado, ainda neste mês de março, o acesso de pessoas físicas à linha de crédito para a instalação de geradores de energia elétrica de fontes renováveis em residências do Estado do Amapá. Os recursos estão garantidos no Fundo Constitucional de Financiamento do Norte (FNO), que é gerenciado pelo Banco da Amazônia.

O financiamento é para pessoas físicas de toda a Amazônia Legal e vai desde os projetos, elaboração até a instalação do dispositivo. O FNO vai disponibilizar R$ 120 milhões para essas operações de crédito, que deverão ter taxas de juros mais baixas do que as praticadas no mercado. (saiba mais)

De acordo com o gerente regional do Banco da Amazônia no Amapá, Gleidson Guimarães Salles, atualmente os técnicos da instituição analisam o risco de operação para estabelecer as garantias do crédito, bem como prazos, limites e taxas. Segundo Salles, apesar do financiamento para pessoas físicas ainda estar em construção, uma linha similar está em funcionamento para produtores rurais e empresas.

“Acreditamos que a linha para pessoa física estará em análise final pela diretoria do Banco da Amazônia no início de março. Até lá, provavelmente o Banco cadastrará algumas empresas do ramo de energia renovável, que serão credenciadas a elaborar o projeto para as residências. Isso não impede que o cliente contrate outra empresa e submeta o projeto à analise”, explicou Salles.

Energia solar no Amapá

No Amapá, o foco é a energia solar fotovoltaica. O Estado aderiu, em maio deste ano, ao Sistema de Compensação de Energia Elétrica, gerenciado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Segundo a agência reguladora, a tecnologia fotovoltaica possibilita a redução do consumo de energia elétrica convencional e, consequentemente, redução no valor cobrado na fatura mensal – proporcional à quantidade de energia gerada.

Do Governo do Amapá

Veja também: Conheça 10 linhas de financiamento para energia solar no Brasil

Arquiteta e urbanista com formação em desenvolvimento sustentável pela University of New South Wales, em Sidney, Austrália. Fundou o CicloVivo em 2010 com a proposta de falar sobre sustentabilidade de forma divertida e descomplicada. Acredita que o bom exemplo é a melhor maneira de influenciar pessoas e que a simplicidade é a chave para vivermos em harmonia.