Colocar a mão na terra, manusear sementes e mudas, aprender as práticas agroecológicas e desenvolver valores relacionados às questões ambientais fazem parte da rotina dos 288 alunos, da Escola de Tempo Integral do Campo Aprígio Thomas de Matos.

Os estudantes da zona rural já têm na rotina familiar o contato com o campo. Visando aprimorar e auxiliar estas famílias, os fundamentos agroecológicos são parte da grade curricular das escolas do campo, tendo como laboratório pomares e hortas.

Dentre as cinco unidades rurais de Palmas, uma vem se destacando, a Escola Aprígio Thomas, que desenvolveu um projeto nos últimos três anos capaz de auxiliar na alimentação não só da unidade, mas de outras oito da rede municipal. “A produção de algumas verduras é tão grande, como a das abóboras, por exemplo, que começamos a fornecer em agosto de 2016 para oito Cmeis (Centros Municipais de Educação Infantil)”, afirmou a diretora da unidade, Sônia Aparecida.

Horta da ETI do Campo Aprígio 2
Foto: Divulgação / Semed

Raimundo Nazário é o vigia da escola e o responsável pela horta. Ele, que trabalha há dois anos no Aprígio, é morador da zona rural e tem uma filha que estuda na unidade. Raimundo diz cuidar da horta, e que com a ajuda dos alunos e de alguns colegas ele conseguiu cultivar no solo de cascalho, missão que não foi fácil, mas com dedicação foi possível. “Os professores, a diretora e os alunos ajudam durante as aulas, a minha filha mesmo já plantou feijão aqui e levou umas mudas para gente fazer a horta lá em casa. Era parte de uma aula”, destacou Raimundo.

A escola que atende da Educação Infantil ao 9º ano será modelo para as demais escolas da zona rural, que possuem a mesma grade curricular e já desenvolvem hortas, porém não tão desenvolvidas como a da Escola Aprígio Thomas.

Outro benefício conquistado através do projeto da horta escolar foi a redução dos gastos em energia. A Energisa, responsável pela distribuição de energia no Tocantins, abateu 50% da conta da unidade escolar, pois esta provou que é uma escola que trabalha com produção. O projeto também será utilizado como modelo.

Horta da ETI do Campo Aprígio 3
Foto: Divulgação / Semed

Visando aprimorar ainda mais este projeto a Semed inclui na equipe escolar da unidade uma engenheira agrônoma, que inicia junto com o ano letivo de 2017, auxiliando no projeto e ensinando diversas técnicas aos alunos, que levarão para a comunidade rural da região.

Diversidade da horta

A plantação inclui alface, milho, mostarda, chicória, coentro, cebolinha, salsa, mandioca, almeirão, couve manteiga, abóbora, cenoura, beterraba, quiabo, berinjela, feijão e batata doce. No pomar tem mamão, maracujá, jabuticaba, cacau, banana, coco, laranja, limão, caju, goiaba, manga e acerola. Uma variedade que enriquece a merenda escolar e, além dos benefícios alimentares, tem sido uma forma de aprendizado saudável e criativa.

Notícia da Prefeitura de Palmas.

Arquiteta e urbanista com formação em desenvolvimento sustentável pela University of New South Wales, em Sidney, Austrália. Fundou o CicloVivo em 2010 com a proposta de falar sobre sustentabilidade de forma divertida e descomplicada. Acredita que o bom exemplo é a melhor maneira de influenciar pessoas e que a simplicidade é a chave para vivermos em harmonia.