Estudantes de instituições públicas e privadas de Goiânia e da Região Metropolitana serão beneficiados pelo Passe Livre Estudantil (PLE). A afirmação é do governador Marconi Perillo após reunião com o prefeito de Goiânia, Paulo Garcia. O encontro aconteceu no Palácio Pedro Ludovico Teixeira na manhã dessa sexta-feira (28). Cerca de 98 mil alunos dos níveis fundamental, médio e superior serão contemplados. “Quero encaminhar hoje a alteração a Assembleia Legislativa”, disse o governador durante coletiva à imprensa.

Marconi explica que o Passe Livre era restritivo a alunos de rede pública que tivessem renda familiar com menos de três salários mínimos. “Tomamos a decisão de universalizar o PLE. Chegamos à conclusão que quase metade dos estudantes são do ensino superior e a maioria deles, trabalhadores. Ao invés de começarmos com 20 mil passes livres vamos estender a 98 mil. Todo estudante que paga meio passe agora terá passe livre. O meio passe é pago pelas empresas, a outra metade nós vamos dividir”.

Marconi explica que o Governo estadual vai arcar com 50% do valor, ou seja, cerca de R$ 1 milhão e 600 mil dos gastos previstos. A Prefeitura vai arcar com 30% dos gastos (R$ 1 milhão) e as outras prefeituras da Região Metropolitana vão arcar com 20% (R$ 600 mil). “Os prefeitos que ainda não vieram à reunião deverão ser ouvidos. Cada prefeito vai tomar sua decisão de acordo com possibilidade financeira. Mas os que vieram concordam. Já estão fazendo as contas”. No encontro compareceram seis prefeitos da Região Metropolitana, além do prefeito de Goiânia. O governador informou que o PLE será estendido também a Anápolis.

O prefeito de Goiânia, Paulo Garcia, avaliou a reunião como muito produtiva para a sociedade. “Um pacto que demonstra responsabilidade de todos nós na busca de solução para as demandas e de superação dos obstáculos em especial nos espaços urbanos. Uma decisão madura e transparente. O governador mostrou sensibilidade para atender à demanda”.

Arquiteta e urbanista com formação em desenvolvimento sustentável pela University of New South Wales, em Sidney, Austrália. Fundou o CicloVivo em 2010 com a proposta de falar sobre sustentabilidade de forma divertida e descomplicada. Acredita que o bom exemplo é a melhor maneira de influenciar pessoas e que a simplicidade é a chave para vivermos em harmonia.