Inicio Mobilidade Vereador defende fim de combustíveis fósseis no transporte público de SP

Mobilidade

Vereador defende fim de combustíveis fósseis no transporte público de SP

A adoção de combustíveis limpos na frota paulistana de ônibus pode evitar 12,7 mil mortes nos próximos 33 anos.

22 de setembro de 2017 • Atualizado às 19 : 26

Foto: iStock by Getty Images / @alffoto

Vereador defende fim de combustíveis fósseis no transporte público de SP
1.04K
0

Em 2017, o “Overshoot Day”, que determina quando a demanda anual da humanidade por recursos excede o que o planeta Terra é capaz de regenerar naquele ano, foi alcançado 37 dias antes que 2016, batendo o recorde desta data desde que o mundo estourou seu orçamento ambiental pela primeira vez, no início da década de 1970. A explicação foi feita ao presentes no 13º Salão Latino-Americano de Veículos Híbrido-Elétricos, Componentes e Novas Tecnologias pelo vereador Caio Miranda Carneiro (PSB), que palestrou no evento durante a manhã da última sexta-feira (22), ao lado do diretor da Sistran, Jaime Waisman, do Coordenador do ILATS (Iniciativa Latinoamericana pelo Transporte sustentável), Luiz Cortez, e do seu colega de Câmara Gilberto Natalini (PV).

Ao levar esta reflexão aos presentes, Caio Miranda deu como exemplo a cidade de São Paulo, que passa por graves problemas ambientais e que afetam a vida de todos os moradores da cidade. “Um estudo do Instituto Saúde e Sustentabilidade mostra que os poluentes atmosféricos no estado São Paulo causaram mais de onze mil mortes precoces só em 2015. Um número bem maior do que o causado pelo trânsito, que chegou a cerca de sete mil de acidentados fatalmente no mesmo ano. Para termos uma ideia, essa pesquisa mostrou também que permanecer duas horas no trânsito da capital equivale a fumar um cigarro por dia. Isso afeta todas as pessoas, de crianças a idosos, grávidas, lactantes, trabalhadores e trabalhadoras. Ou seja, poluição do ar é um dos maiores vilões dos paulistanos”, explicou.
Para o vereador, somente a adoção de combustíveis limpos na frota paulistana de ônibus pode evitar 12,7 mil mortes nos próximos 33 anos. “Nesse período, a poluição atmosférica terá um custo aproximado de R$.54 bilhões se nada for feito para diminuí-la”, alerta. Umas das ideias do parlamentar é implantar a Agenda 2030 da ONU na cidade que, entre outros temas, prevê a redução em 43% da emissão de gases poluentes no Brasil em 13 anos. “Para batermos essa meta, São Paulo, uma cidade referência para o resto do País, precisa estar a frente desse desafio”, avalia Miranda.
Caio Miranda também propôs um substitutivo ao PL 300, de autoria do vereador Milton Leite (DEM), presidente da Câmara de São Paulo. O projeto privilegia a mistura de 20% de biodiesel ao diesel comum nos primeiros anos de substituição e propõe mudança dos motores até 2037. Pelo novo texto apresentado por Caio, entre 2018 e 2019, 20% dos ônibus do sistema público devem ser movidos por tecnologia alternativa ao óleo diesel. A partir de 2020, este percentual aumenta anualmente em 10% até que, em 2027, todos os coletivos da cidade não dependam de combustível fóssil. “Entendemos que as novas diretrizes do transporte público devem ser amplamente discutidas e esse substitutivo vem para tentar abranger outras fontes energéticas de baixa emissão de poluentes, a exemplo do que já ocorre em outras metrópoles pelo mundo, trazendo mais qualidade de vida aos moradores de  São Paulo no caminho de uma cidade sustentável”, finaliza.

(1040)

logo
Fechar
Abrir
logo