Inicio Cidadania Projeto de compostagem caseira impede que 250 t de lixo sejam descartadas em SP

Cidadania

Projeto de compostagem caseira impede que 250 t de lixo sejam descartadas em SP

A compostagem é um processo biológico em que micro-organismos transforam a matéria orgânica em adubo.

9 de junho de 2015 • Atualizado às 11 : 43
Projeto de compostagem caseira impede que 250 t de lixo sejam descartadas em SP

97.42K
0

A compostagem de resíduos orgânicos é uma ferramenta importante para reduzir a quantidade de lixo descartado em aterros sanitários. No entanto, os benefícios dessa prática podem ir muito além. O Composta São Paulo, uma iniciativa da prefeitura da capital paulista, juntamente com as empresas de coleta urbana e a Morada da Floresta, é prova disso.

O projeto piloto teve início em junho de 2014. Após ser aberto para que qualquer morador da cidade de inscrevesse, duas mil pessoas foram escolhidas para integrarem a primeira fase do programa. Os contemplados receberam uma composteira doméstica e participaram de oficinas de compostagem e plantio para que aprendessem a reutilizar os resíduos orgânicos produzidos em sua própria casa para a fabricação de adubos naturais.

A compostagem nada mais é do que um processo biológico em que micro-organismos transforam a matéria orgânica, como talos, restos e casas de alimentos de origem vegetal, em adubo natural, semelhante ao solo. Todo este processo pode ser feito dentro de uma casa, em um espaço pequeno, ocupado por três caixas plásticas, em um equipamento chamado de minhocário. Como o nome já diz, as minhocas são agentes essenciais para a transformação do material que seria descartado em composto orgânico.

Após quase um ano desde que o projeto piloto foi lançado, a prefeitura de São Paulo divulgou um informativo com todos os resultados obtidos. Foram entregues 2.006 composteiras e o número de pessoas impactadas pela iniciativa chegou a sete mil. Durante seis meses foram realizadas 135 oficinas de compostagem e 88 oficinas de plantio, em que os participantes receberam instruções para cultivarem alimentos em casa ou em áreas públicas, aproveitando também o material orgânico originado no processo de compostagem.

Além de reduzir drasticamente a quantidade de resíduos descartados nas residências dos participantes, o monitoramento identificou outros benefícios proporcionados pelo projeto. Através da compostagem, os participantes alegaram ter mudado comportamentos e adquirido novas informações e conhecimento.

A média de resíduos orgânicos reaproveitados foi de 90%. Apesar de ser um processo que requer cuidado e monitoramento constante, 55% dos participantes consideraram o uso da composteira muito fácil e 78,4% das pessoas garantiram que incorporaram a reciclagem em seus hábitos diários.

A mudança de comportamento proporcionada pelo projeto incentivou a reflexão sobre outros assuntos, como: alimentação, resíduos, sustentabilidade, relação com a cidade e a natureza. Como parte do projeto Composta São Paulo, foi criado um grupo aberto no Facebook. O local foi usado para compartilhar conhecimento, experiências, tirar dúvidas e até mesmo conectar os participantes. O projeto demonstrou que a compostagem também serve para promover a educação ambiental e restabelecer o senso comunitário, não apenas no âmbito virtual, mas, principalmente, entre os participantes e o bairro em que estão inseridos.

Em um ano de Composta São Paulo, mais de 250 toneladas de resíduos foram reaproveitadas.

Se você tem interesse em conhecer mais sobre este projeto ou se inscrever para as próximas edições, clique aqui.

Clique aqui e aprenda a fazer uma composteira caseira usando materiais reaproveitados. 

Por Thaís Teisen – Redação CicloVivo 

(97417)

logo
Fechar
Abrir
logo