Inicio Meio Ambiente Porto na Bahia causará sérios impactos ambientais, diz relatório

Meio Ambiente

Porto na Bahia causará sérios impactos ambientais, diz relatório

Um Relatório de Impacto Ambiental foi apresentado na última segunda-feira (10) ao governo da Bahia. O documento acusa a obra Porto Sul, que pretende construir um porto e uma ferrovia em Ilhéus, de causar sérios impactos ambientais e socioeconômicos.

11 de outubro de 2011 • Atualizado às 08 : 47

Porto na Bahia causará sérios impactos ambientais, diz relatório
6.14K
0

Um Relatório de Impacto Ambiental foi apresentado na última segunda-feira (10) ao governo da Bahia. O documento acusa a obra Porto Sul, que pretende construir um porto e uma ferrovia em Ilhéus, de causar sérios impactos ambientais e socioeconômicos.

Pressionados por defensores do meio ambiente, há seis meses o projeto, orçado em R$ 2,4 bilhões, teve que mudar o local do empreendimento, que passou da Ponta do Tulha, uma área de proteção ambiental, para a Aritaguá que também fica em Ilhéus.

Diversos impactos negativos foram listados, entre eles 29 referem-se ao ambiente físico da região, 36 ao bioma e 19 ao ambiente socioeconômico da área. O projeto prevê uma  interligação entre a Ferrovia Oeste-Leste (Fiol) a rodovias e a um aeroporto internacional, no entanto, para que os planos sigam adiante será necessário deslocar cerca de quatro mil pessoas, sendo que boa parte é formada por pequenos agricultores.

Além disso, o relatório aponta a previsão de morte de peixes, possíveis colisões de navios com mamíferos marinhos e alterações na movimentação de leitos de rios e de sedimentos costeiros.

Doze dos impactos socioeconômicos são indicados como positivos. A principal defesa é da criação de dois mil postos de trabalho diretos e seis mil indiretos. Outra possibilidade é transformar a região em pólo logístico nacional que aumentará a arrecadação de impostos do Estado.

Os benefícios não convencem as instituições ambientalistas. “O relatório mostra o que temos dito, que o projeto tem muito mais impactos negativos do que positivos, e impressiona a desproporção entre os dois lados”, disse o presidente ONG Floresta Viva, Rui Barbosa Rocha, ao Estadão.

O governo baiano prefere defender o projeto com o argumento de atenuar tais impactos com ações compensatórias. As obras devem começar a partir de 2012. Contrários à decisão, diversas entidades preparam ações de protestos nos próximos dias 27 e 28. Já existe um site independente contra a implantação do Complexo Porto Sul com notícias sobre meio ambiente, ações sustentáveis e ecodesenvolvimento no sul da Bahia. Com informações do Estadão.

Redação CicloVivo

Siga as últimas notícias do CicloVivo no Twitter

(6142)

logo
Fechar
Abrir
logo