Inicio Cidadania PL tenta impedir que horta comunitária seja destruída em Porto Alegre

Cidadania

PL tenta impedir que horta comunitária seja destruída em Porto Alegre

Desde o final do ano passado a Horta Comunitária Lomba do Pinheiro está ameaçada para dar lugar a uma rua.

30 de março de 2016 • Atualizado às 16 : 42
PL tenta impedir que horta comunitária seja destruída em Porto Alegre

A horta é um projeto coletivo de produção orgânica com enfoque pedagógico, terapêutico e de inclusão social. | Foto: Reprodução/Facebook

968
0

Desde o final do ano passado os moradores da comunidade Lomba do Pinheiro, em Porto Alegre, têm lidado com uma incerteza. A razão para isso é um projeto que pode destruir uma tradicional horta comunitária para a construção de uma rua. Para impedir que isso aconteça, no entanto, um projeto de lei busca transformar o local em área de preservação.

No fim de fevereiro, no entanto, o PL nº 232/15 que instituía como área de preservação ambiental e sociocultural o terreno de propriedade da prefeitura localizado na Estrada João de Oliveira Remião, 5088, Bairro Lomba do Pinheiro, foi totalmente vetado. O projeto, de autoria do vereador Airto Ferronato (PSB), havia sido aprovado em 21 de dezembro de 2015. A proposta determinava também a preservação das construções e dos equipamentos existentes nesse terreno e atende a uma reivindicação da comunidade da Lomba para preservar a horta e a mata que a circunda.

Diante do veto, Ferronato realizou modificações no projeto e protocolou uma nova proposição. O vereador explica que a horta fica aos fundos do Centro Cultural Lomba do Pinheiro e do Centro Administrativo Regional (CAR), em área da prefeitura protegida em uma de suas faces por mata nativa, que atua como barreira natural, essencial para a proteção da plantação. São sete mil metros quadrados, nos quais estão plantadas as mais variadas hortaliças, ervas de chás e medicinais, frutas e algumas plantas exóticas, como a cúrcuma.

Conforme Ferronato, a horta é um projeto coletivo de produção orgânica com enfoque pedagógico, terapêutico e de inclusão social. Mais de dez mil pessoas já foram atendidas no local, trabalhando, participando de oficinas ou visitando o espaço. Participam da iniciativa alunos das Sociedades de Assistência Social e Educacional (Sases), de creches, de escolas, universitários, idosos, usuários do Sistema Único de Saúde e profissionais da saúde, entre outros.

Da Câmara Municipal de POA

(968)

logo
Fechar
Abrir
logo