Inicio Desenvolvimento Mesmo com crescimento econômico, emissões globais de CO2 quase não sobem em 2016

Desenvolvimento

Mesmo com crescimento econômico, emissões globais de CO2 quase não sobem em 2016

O crescimento das emissões ficou abaixo de 1%, apesar do crescimento do PIB ter excedido os 3%.

16 de novembro de 2016 • Atualizado às 09 : 31

A China - o maior emissor de CO2 do mundo, respondendo por 29% das emissões – teve uma redução de 0,7% em 2015. | Foto: iStock by Getty Images

Mesmo com crescimento econômico, emissões globais de CO2 quase não sobem em 2016
367
0

As emissões globais de carbono provenientes da queima de combustíveis fósseis não aumentaram em 2015 e deverão subir apenas ligeiramente em 2016, marcando três anos de quase nenhum crescimento, segundo pesquisadores da Universidade de East Anglia (UEA) e do Global Carbon Project.

A projeção de aumento de apenas 0,2% para 2016 marca uma ruptura clara em relação ao rápido crescimento das emissões de 2,3% ao ano registrado na década até 2013, com apenas 0,7 por cento de crescimento visto em 2014. Os novos dados mostram que o crescimento das emissões ficou abaixo de 1%, apesar do crescimento do PIB ter excedido os 3%. A queda no uso de carvão na China é a principal razão.

Embora a quebra nas emissões se alinhe com as promessas dos países de as diminuírem até 2030, ela ainda está aquém do necessário para limitar as mudanças climáticas bem abaixo de 2 graus Celsius. Corinne Le Quéré, Diretora do Centro Tyndall da UEA, que liderou a análise de dados, disse: “Este terceiro ano de quase nenhum crescimento nas emissões é sem precedentes em um momento de forte crescimento econômico. Embora contribua para combater as alterações climáticas, não é suficiente: as emissões globais agora precisam diminuir rapidamente, não apenas parar de crescer.”  Ela acrescentou: “Se os negociadores do clima em Marrakech puderem impulsionar novos cortes nas emissões, poderemos ter um começo sério para lidar com a mudança climática”.

A análise do Global Carbon Budget também mostra que, apesar da falta de crescimento das emissões, o crescimento da concentração atmosférica de CO2 foi um recorde em 2015 e poderá voltar a ser recorde em 2016 devido a fracos sumidouros de carbono. A Prof Le Quéré explica: “Parte das emissões de CO2 são absorvidas pelo oceano e pelas árvores. Com as temperaturas crescendo em 2015 e 2016, menos CO2 foi absorvido pelas árvores devido às condições quentes e secas relacionadas ao evento El Niño. Os níveis atmosféricos de CO2 excederam 400 partes por milhão (ppm) e continuarão a subir e fazer com que o planeta aqueça até que as emissões sejam reduzidas para perto de zero “.

Principais emissores

A China – o maior emissor de CO2 do mundo, respondendo por 29% das emissões – teve uma redução de 0,7% em 2015, em comparação com o crescimento de mais de 5% ao ano na década anterior. Prevê-se uma nova redução de 0,5% para 2016, embora com grandes incertezas.

Os EUA, segundo maior emissor de CO2, com 15% das emissões globais, também reduziram o uso de carvão e reduziram suas emissões em 2,6% no ano passado. As emissões dos EUA deverão diminuir em 1,7% em 2016.

Os 28 Estados-Membros da UE são o terceiro maior emissor, causando 10% das emissões globais. As emissões de CO2 da UE aumentaram 1,4% em 2015.

A Índia contribuiu com 6,3% de todas as emissões globais de CO2, com suas emissões aumentando 5,2%, em 2015 continuando um período de forte crescimento.

(367)

logo
Fechar
Abrir
logo