Inicio Meio Ambiente Iceberg gigante de 6 mil quilômetros quadrados se separa da Antártida

Meio Ambiente

Iceberg gigante de 6 mil quilômetros quadrados se separa da Antártida

O bloco de gelo com área maior que o Distrito Federal se desprendeu do continente nos últimos dias.

13 de julho de 2017 • Atualizado às 12 : 08

Foto: NASA/USGS Landsat

Iceberg gigante de 6 mil quilômetros quadrados se separa da Antártida
906
0

Um iceberg sobre com o tamanho maior que o distrito federal se separou da plataforma de gelo Larsen C da Antártida entre 10 de julho e 12 de julho. A quebra do enorme iceberg maciço foi capturado pela NASA.

Larsen C, uma plataforma flutuante de gelo glacial no lado leste da Península Antártica, é a quarta maior plataforma de gelo que toca o continente do sul da Terra. Em 2014, uma rachadura que crescia lentamente na plataforma de gelo por décadas de repente começou a se espalhar para o norte, criando o iceberg nascente. (veja aqui) Agora que o pedaço de gelo com quase 6 mil quilômetros quadrados se separou, e a área da plataforma Larsen C encolheu aproximadamente 10 por cento.

“O interessante é o que acontece a seguir, como a plataforma de gelo restante responderá?”, disse Kelly Brunt, um glaciologista da NASA. “A plataforma de gelo enfraquecerá? Ou possivelmente entrarão em colapso como seus vizinhos Larsen A e B? Será que as geleiras atrás da plataforma de gelo aquecerão e terão uma contribuição direta para o aumento do nível do mar? Ou isso é apenas um evento de quebra normal? ”

 

As plataformas de gelo são responsáveis por 75% da camada de gelo da Antártida. Segundo a NASA, uma maneira de avaliar a saúde das camadas de gelo é olhar para o equilíbrio: quando uma camada de gelo está em equilíbrio, o gelo obtido através da queda de neve é igual ao gelo perdido através da perda por derretimento ou por icebergs. Mesmo os eventos de quebras relativamente grandes podem ser considerados normais se a camada de gelo estiver em equilíbrio geral. Mas às vezes, as camadas de gelo desestabilizam, seja pela perda de um iceberg particularmente grande ou pela desintegração de uma plataforma de gelo, o que pode aumentar significativamente o nível do mar.

Os cientistas monitoraram a progressão da fenda durante o último ano. Nos próximos meses e anos, os pesquisadores monitorarão a resposta de Larsen C e as geleiras que fluem para ele, através do uso de imagens de satélite, levantamentos aéreos, instrumentos geofísicos automatizados e trabalho de campo associado.

No caso desta fenda, os cientistas estavam preocupados com a possível perda de um ponto de fixação que ajudou a manter Larsen C estável. Em uma parte rasa do fundo do mar debaixo da plataforma de gelo, uma protuberância de rocha, chamada de Bawden Ice Rise, serviu de ponto de ancoragem para a plataforma flutuante durante muitas décadas. Em última análise, a fenda parou de se separar da protrusão.

“Os 90% restantes da plataforma de gelo continuam a ser mantidos por dois pontos de fixação: o aumento de gelo de Bawden ao norte da fenda e o aumento de gelo de Gipps ao sul”, disse Chris Shuman, um glaciologista da Universidade de Maryland. “Então eu não vejo nenhum sinal de curto prazo de que este evento de quebra vai levar ao colapso da plataforma de gelo Larsen C. Mas vamos observar atentamente os sinais de novas mudanças na área”.

“A Península Antártica foi um dos lugares de aquecimento mais rápidos do planeta ao longo da segunda metade do século XX. Este aquecimento conduziu mudanças ambientais profundas, incluindo o colapso de Larsen A e B “, disse Dan McGrath, um glaciologista da Colorado State University. “Mas com a fenda no Larsen C, não estabelecemos uma conexão direta com o clima de aquecimento. Ainda assim, definitivamente existem mecanismos pelos quais essa fenda pode ser ligada à mudança climática, principalmente através de águas oceânicas mais quentes próximas à cabeceira das plataformas”.

O Centro Nacional de Gelo dos EUA monitorará a trajetória do novo iceberg, que provavelmente será chamado de A-68. As correntes em torno da Antártida geralmente ditam o caminho que os icebergs seguem. Neste caso, o bloco de gelo provavelmente seguirá um caminho semelhante aos icebergs produzidos pelo colapso de Larsen B: ao norte, ao longo da costa da Península, e a nordeste até o Atlântico Sul.

As informações são da NASA.

(906)

logo
Fechar
Abrir
logo