Inicio Meio Ambiente Estudo mostra que consumidor sabe pouco sobre a origem do que compra

Meio Ambiente

Estudo mostra que consumidor sabe pouco sobre a origem do que compra

Dois em cada três brasileiros declaram desconhecer a forma como se cria os animais cuja carne é por eles consumida.

20 de dezembro de 2016 • Atualizado às 08 : 00
Estudo mostra que consumidor sabe pouco sobre a origem do que compra

Nove entre cada dez brasileiros acreditam que um sistema de bem-estar produz uma carne de melhor qualidade. | Foto: iStock by Getty Images

1.14K
1

A World Animal Protection lançou na semana passada o relatório “Consumo às cegas: percepção do consumidor sobre bem-estar animal na América Latina”. O relatório, confeccionado a partir de pesquisa encomendada à Ipsos, contextualiza a produção e o consumo de proteína animal no Brasil, analisa os principais resultados de uma pesquisa nos quatro países latino-americanos consultados (Brasil, Chile, Colômbia e México) e compila uma série de recomendações e de ações que podem ser tomadas com finalidade de conscientização.

De forma geral, aponta-se que o consumidor latino-americano pouco sabe sobre a origem do que consome. Dois em cada três brasileiros declaram desconhecer a forma como se cria os animais cuja carne é por eles consumida (66% dos respondentes). Esse índice é semelhante nos demais países latino-americanos consultados, variando de 57% dos entrevistados no México, 64% com a mesma resposta no Chile e 66% dos respondentes na Colômbia.

O atributo “produção com bem-estar animal” figura em 6ª posição nos quesitos de exigência dos consumidores entrevistados no Brasil, Chile e no México e sobe para 5º lugar na Colômbia. Isso significa que nesses três países, com exceção da Colômbia, a “marca” é mais importante do que a “produção com bem-estar animal” (ainda que algumas marcas possam estar relacionadas à ideia de bem-estar animal).

Um dos dados mais relevantes encontrados está relacionado aos produtos com selo de bem-estar animal e intenção de compra: um 82% dos brasileiros compraria esses produtos se existissem no mercado. E um 72% compraria apenas esses produtos, sempre que o preço fosse o mesmo que os produtos sem a certificação. Nove entre cada dez brasileiros acreditam que um sistema de bem-estar produz uma carne de melhor qualidade; e jovens de 18 a 29 anos, no geral, têm maior preocupação com os métodos de abate.

carne_vermelha_consumo

Foto: iStock by Getty Images

Dos dados coletados, conclui-se que o consumo de proteína animal é alto no Brasil: 68% dos entrevistados consomem carne quatro vezes ao longo da semana. A carne bovina é a favorita, mas frango e ovos são os mais consumidos (possivelmente por conta da acessibilidade ao produto). Quando questionados sobre a importância do bem-estar dos animais de fazenda, apenas 3% respondeu que não era nada importante. Mas, ao mesmo tempo, esses mesmos consumidores sabem muito pouco sobre os métodos de criação dos animais, muitas vezes com uma visão bucólica da situação na década de 50, assim como sobre o bem-estar e como este se aplica aos animais de fazenda.

Os resultados do Brasil elucidam vários aspectos relacionados ao hábito de compra e visão sobre o bem-estar dos animais de fazenda. Fica evidente que, na visão dos brasileiros, o bem-estar dos animais está intimamente relacionado à qualidade do produto. Para eles também o fator mais importante no momento da compra é qualidade, seguido por preço e aparência da carne.

Quando questionadas sobre o valor agregado ao produto oriundo de animais com um bom bem-estar, os entrevistados dizem acreditar que esses seriam mais caros simplesmente por serem mais éticos do que os outros. Sabemos hoje que isso não necessariamente é verdade: é possível produzir com bem-estar sem aumentar o custo de produção.

“Um elo importante desta cadeia é o consumidor, que ainda não descobriu a força que possui para mover o sistema de produção. Faltam educação e conscientização sobre a produção ética e sustentável e sobre a acessibilidade deste tipo de produto”, afirma José Ciocca, Gerente de Campanhas da World Animal Protection do Brasil.

Para acessar o estudo na íntegra clique aqui.

(1141)

logo
Fechar
Abrir
logo