Inicio Meio Ambiente Crise econômica mundial pode colocar em risco importância da Rio+20, diz sociólogo

Meio Ambiente

Crise econômica mundial pode colocar em risco importância da Rio+20, diz sociólogo

A Rio+20, agendada para junho no Rio de Janeiro, deveria ser uma reunião altamente importante, mas há riscos de que esse cenário não se torne realidade. A avaliação é do sociólogo Emir Sader.

26 de janeiro de 2012 • Atualizado às 06 : 30

Crise econômica mundial pode colocar em risco importância da Rio+20, diz sociólogo
1.57K
0

A Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), agendada para junho no Rio de Janeiro, deveria ser uma reunião altamente importante, mas há riscos de que esse cenário não se torne realidade. A avaliação é do sociólogo Emir Sader.

Durante visita a Porto Alegre para participar do Fórum Social Temático 2012 (FST), na última quarta-feira (25), ele avaliou que um dos principais aspectos que coloca a importância do encontro em jogo é a crise econômica global. Os países desenvolvidos, segundo Sader, não vão querer fazer concessões ecológicas para não diminuir a competitividade.

“É uma batalha fundamental da humanidade, mas é uma batalha em que nós assopramos contra o vendaval, contra os países do centro [do capitalismo], que não mostraram disposição em cumprir os compromissos estabelecidos há 20 anos”, disse.

Na avaliação do sociólogo, os países ricos enfrentam um círculo vicioso de reagir à recessão e à crise com mais cortes e, portanto, com mais recessão, em uma espécie de “armadilha” armada para os países pobres e em desenvolvimento, mas que se virou contra eles.

Para Sader, o fator que mais preocupa, no momento, são as taxas de desemprego em todo o mundo. Segundo ele, mais de 80 milhões de pessoas perderam o emprego e a expectativa é que esse número chegue a 200 milhões de desempregados. “Isso recai, sobretudo, sobre os setores mais pobres, os trabalhadores imigrantes, com menor proteção social, em países como os Estados Unidos, a França, a Espanha e a Inglaterra”.

O sociólogo acredita que o Brasil, juntamente com outros países da América Latina, pode contribuir para reverter o cenário atual difundindo o modelo de desenvolvimento econômico com distribuição de renda, com expansão do mercado interno de consumo popular, com integração Sul-Sul e com intercâmbio econômico.

“Acho que o tema central do fórum e para o mundo é como superar o neoliberalismo, como construir uma sociedade pós-neoliberal, justa, humana e solidária. A quantas a gente anda, especialmente, tem que ser um tema latino-americano – que passos nós demos, que obstáculos temos ainda pela frente e de que maneira podemos enfrentar conjuntamente e propor alternativas para continentes que vivem em situações dramáticas como a África e parte da Ásia”, concluiu.`

Por Paula Laboissière – Agência Brasil

(1574)

logo
Fechar
Abrir
logo