Inicio Mobilidade Brasília planeja 1,2 mil quilômetros de ciclovias até 2022

Mobilidade

Brasília planeja 1,2 mil quilômetros de ciclovias até 2022

Governo apresentou Plano de Ciclomobilidade que vai revolucionar uso das bicicletas.

10 de agosto de 2017 • Atualizado às 08 : 50

Foto: Gabriel Jabur/Agência Brasília

Brasília planeja 1,2 mil quilômetros de ciclovias até 2022
530
0

Ampliação de ciclovias, integração com outros transportes e mais bicicletas públicas estão entre as medidas do Plano de Ciclomobilidade de Brasília, o +Bike, lançado na última quarta-feira (9) pelo governador Rodrigo Rollemberg.

A estratégia — que integra o programa Circula Brasília — está voltada a resolver a descontinuidade entre as ciclovias da cidade que não se comunicam. O objetivo é conectá-las e criar uma rede integrada para facilitar o deslocamento dos ciclistas.

Diversas medidas serão articuladas para esse fim, desde mais quilômetros de ciclovias, a instalação de bicicletários nos terminais de ônibus e um novo sistema de compartilhamento de bicicletas integradas ao BRT.

O investimento será de R$ 20 milhões, sem contar os valores aplicados em 72 quilômetros de projetos já em andamento, como a ciclovia da Estrada Parque Taguatinga (EPTG), a do Lago Oeste, a do Trevo de Triagem Norte e a da Ligação Torto-Colorado.

O governador ressaltou que o plano considera tanto as ciclovias que serão usadas como meio de deslocamento de pessoas que usam esse meio de transporte para se locomover pela cidade quanto as destinadas ao lazer. “O nosso objetivo é que, no futuro, todo o DF possa ser ligado por uma malha cicloviária”, disse.

Brasília conta com 420 quilômetros de ciclovias e ciclofaixas. A meta é ampliá-las em 50%, chegando ao fim de 2018 com mais 218 quilômetros. Até 2022, o plano prevê ampliar para 1,2 mil quilômetros o alcance das ciclovias de Brasília.

Foto: Gabriel Jabur/Agência Brasília

Foto: Gabriel Jabur/Agência Brasília

Ampliação de bicicletas públicas compartilhadas

Já como parte das ações, o governador inaugurou um dos cinco novos pontos, com 50 bicicletas compartilhadas, instalados na UnB (Universidade de Brasília). Todos eles já começaram a funcionar.

Para os outros pontos, serão priorizadas as regiões que contam com o transporte de metrô. Além disso, haverá remanejamento em alguns casos – realocando as estações onde há pouco uso das bicicletas públicas para áreas com maior demanda.

O modelo será mantido, com uma empresa privada, a concessionária do serviço, fazendo o gerenciamento.

Três mil paraciclos e dez bicicletários serão instalados no DF

Visando à integração do uso da bicicleta com outros modais, bicicletários serão instalados em dez terminais do sistema de transporte público coletivo. Cada um deles terá capacidade de 30 a 50 vagas. De uso gratuito, bastará que o usuário leve um cadeado para prender a bicicleta no local.

Ainda em agosto, a pasta lançará licitação para compra de três mil paraciclos. A instalação em diversos pontos do DF, principalmente naqueles que contam com transporte de metrô, está prevista para até o fim deste ano.

Três terminais de BRT receberão testes para uso de bicicletas integradas

Três terminais de BRT — os de Santa Maria, do Gama e do Park Way — passarão por testes para implementar o compartilhamento de 150 bicicletas integradas. A licitação para os testes ainda está em fase de finalização.

A ideia é que os usuários fiquem com as bicicletas por um longo período, de cerca de 12 horas. Por exemplo, alguém que saia do trabalho e chegue à estação de Santa Maria poderá retirar uma unidade e ir para casa. Apenas no dia seguinte, provavelmente quando precisar se deslocar novamente até a estação, é que o cidadão precisará devolver a bicicleta.

Foto: Gabriel Jabur/Agência Brasília

Foto: Gabriel Jabur/Agência Brasília

Aplicativo para usar bicicletas será atualizado

Também dentro das medidas do plano, o aplicativo (disponível para Android e iOS) para usar as bicicletas passará por uma atualização e será renomeado para +Bike.

Entre as novidades do aplicativo está a opção de cobrança de tarifa diária, de R$ 3, e de R$ 6 por mês, além da tarifa anual de R$ 10, o que pode ser uma opção para turistas ou para aqueles que querem usar a bicicleta por menos tempo.

As informações são da Agência Brasília.

(530)

logo
Fechar
Abrir
logo