Inicio Mobilidade Bicicletas vendidas no Brasil são as mais caras do mundo

Mobilidade

Bicicletas vendidas no Brasil são as mais caras do mundo

Enquanto a carga tributária nos EUA e na Colômbia é nula, impostos respondem por 40% do preço das bikes no Brasil

11 de June de 2013 • Atualizado às 13 : 54
Bicicletas vendidas no Brasil são as mais caras do mundo

4.30K
0

As bicicletas vendidas no Brasil são as mais caras do mundo, devido à carga tributária, que responde por 40% do valor final do produto no mercado. Os dados foram apurados pela Abradibi (Associação Brasileira da Indústria, Comércio, Importação e Exportação de Bicicletas, Peças e Acessórios), que vê os altos preços na contramão dos incentivos ao uso das bikes nas cidades brasileiras.

De acordo com os dados levantados pela Abradibi, a carga tributária desestimula o uso das bicicletas como meio de transporte e ainda dificultam a comercialização do produto no Brasil. “A bicicleta brasileira é a mais cara do mundo”, afirmou Tarciano Araújo, presidente da Abradibi, ao portal Bem Paraná. Enquanto isso, países como EUA e Colômbia não cobram impostos sobre a venda de bicicletas.

“Precisamos ter um preço mais acessível para os trabalhadores e estudantes. A redução do valor das bicicletas é uma das condições fundamentais para permitir o uso do veículo voltado à locomoção para o trabalho e para a escola”, declarou o presidente da entidade setorial.

Além dos impostos alarmantes, o aumento dos ciclistas nos grandes centros urbanos ainda não estimulou totalmente a indústria das bicicletas no Brasil, formada por poucas montadoras e distribuidoras. Fora isso, a produção nacional destes veículos depende de peças fabricadas fora do país – o que aumenta o preço.

A média atual de produção brasileira é de sete milhões de bicicletas por ano. Entretanto, a indústria tem capacidade de produção 50% maior. A Abradibi também estima que o mercado potencial do país gire entre nove e dez milhões de unidades por ano. “Com uma política competitiva de tributos, poderíamos até nos posicionar como polo exportador de bicicletas”, sugere o presidente da entidade setorial.

Redação CicloVivo

(4301)

Fechar
Abrir