Inicio Meio Ambiente 20 anos depois, a “menina que calou o mundo” volta ao Brasil

Meio Ambiente

20 anos depois, a “menina que calou o mundo” volta ao Brasil

Há duas décadas uma garotinha canadense de 12 anos discursava perante autoridades mundiais, cobrando mudanças nas atitudes e maior cuidado com as causas ambientais. Essa era Severn Cullis-Suzuki, que estará de volta ao Brasil para a Rio+20.

5 de junho de 2012 • Atualizado às 06 : 22

20 anos depois, a “menina que calou o mundo” volta ao Brasil
2.39K
0

Há duas décadas uma garotinha canadense de 12 anos discursava perante autoridades mundiais, cobrando mudanças nas atitudes e maior cuidado com as causas ambientais. Essa era Severn Cullis-Suzuki, mais conhecida como “a garota que calou o mundo por cinco minutos”.

A participação de Severn na Eco92 é lembrada até hoje e representa a preocupação das novas gerações com o futuro de todos. Neste ano, a canadense volta ao Brasil para participar da Rio+20 e dar continuidade ao trabalho que vem desenvolvendo na área ambiental desde que ainda era uma criança.

O jornal Folha de S. Paulo conseguiu uma entrevista exclusiva com Severn, que hoje é mãe de dois filhos, apresentadora de um programa canadense e educadora ambiental. Durante a conversa ela explicou que a oportunidade para discursar na Eco92 surgiu após um esforço feito por ela e um grupo de amigas que formavam a ECO (Environmental Children’s Organization). Juntas as garotas conseguiram arrecadar fundos com a comunidade em que moravam, no Canadá, para que fosse possível viajar ao Rio e participar do Fórum Global, em que elas foram inscritas como ONG e aproveitaram a oportunidade para falar sobre meio ambiente com muitas pessoas.

Esta iniciativa fez com que a Unicef se interessasse pelo trabalho e oferece uma oportunidade para que uma delas representasse a ECO em um discurso às autoridades. Severn foi escolhida e as suas palavras marcaram profundamente as pessoas presentes e ainda hoje emocionam quem a vê através do vídeo disponível na internet.

Após 20 anos desde a preleção da canadense, muitas coisas mudaram. Segundo ela, na década de 90 as questões ambientais foram deixadas de lado. Nos últimos anos, devido às crises econômicas e à mudança climática o assunto voltou a ganhar espaço e ser discutido. Além disso, ela acredita que a facilidade com que as informações são compartilhadas através da internet pode “inspirar a verdadeira mudança no século 21”.

No entanto, os sistemas econômicos mundiais ainda não refletem este anseio por mudança. Severn ressalta o fato de que as economias são mensuradas a partir do índice do Produto Interno Bruto (PIB) e isso “pouco se reflete na qualidade de vida”.

Para a ativista, a chave para mudar este cenário é a mobilização. A mudança parte de uma transformação na sociedade e na política. As pessoas podem trabalhar individualmente para reduzir seus impactos na natureza e ainda podem se tornar mais ativas política e socialmente, cobrando ações, sabendo exercer os direitos e compartilhando conhecimento e informação, para que possam ser ouvidas.

A entrevista é finalizada com Severn falando sobre a esperança para o futuro. “Acredito que só o amor por nossos filhos possa virar a maré. A questão do ambiente é o futuro deles. Temos de fazer a conexão entre nossa vida hoje a suas vidas no futuro. Se nós, politicamente, fizermos a conexão, mudaremos tudo. Eu tenho que acreditar nisso”, concluiu.

Relembre aqui o discurso de Severn Suzuki

[VIDEO:a_menina_que_calou_o_mundo]

Com informações da Folha de S. Paulo.

Redação CicloVivo

(2392)

logo
Fechar
Abrir
logo