Você sabe o que é rotação de culturas?

O especialista em agricultura orgânica Thiago Tadeu Campos explica que a rotação de culturas é simplesmente plantar espécies diferentes do que você plantou antes em uma mesma área. Por exemplo, se você tinha um plantio de alface, agora você faz a rotação para um plantio de beterraba. E sempre vai trocando, em um período de um ano. Assim você trabalha para a sustentabilidade do seu plantio.

Motivos e benefícios para praticar a rotação de culturas

A rotação de culturas é uma estratégia para escapar de pragas, fazer controle de plantas daninhas e doenças. Além de melhorar a qualidade física, química e biológica do solo e ter aumento em produtividade. Com isso, a compactação do solo é evitada e se tem melhor infiltração da água. Ocorre ainda aumento da atividade biológica e disponibilidade de nutrientes para as plantas. Também há aumento na quantidade de nitrogênio se utilizada espécies leguminosas. Uma monocultura não tem isso se não forem utilizados insumos, e sofre muito por se ter somente uma espécie. Confira abaixo o que David Gingera explica em seu vídeo:  

Quando se faz a rotação, está se colocando uma espécie com exigências em nutrientes, raízes, folhas, frutos e flores diferentes da espécie anterior. Isso pode fazer com que tenha resistência a algumas pragas e doenças. Assim, é possível fortalecer o seu plantio e a relação cultura – meio ambiente – homem mais saudável.

Os benefícios desta prática é que se terá alimentos orgânicos mais diversos, um solo melhor quanto aos aspectos físicos e de nutrição. Também haverá redução de custos com inseticidas, entre outros.

Escolha das espécies

Escolha aquelas que possuem bastante biomassa para incorporar mais matéria orgânica ao solo e para fazer cobertura vegetal que evite a erosão. Podem ser espécies de adubação verde; que melhore as condições do solo para acabar com a atratividade das pragas e doenças pelo seu cultivo; espécies com aproveitamento de nutrientes diferentes e aquelas que contribuem com a renda de maneira direta, pela venda do produto em si, ou renda indireta, que melhora as condições de desenvolvimento das outras espécies econômicas.

Você pode cultivar essas espécies sozinhas ou em consórcio, dependendo do seu planejamento. Mas escolha espécies que te trará renda, que cresça rápido e lembre-se de fazer todas as operações do plantio e da manutenção corretamente.

Pratique em sua horta orgânica

Em sua horta orgânica, você pode plantar uma diversidade de espécies visando obter os benefícios que já comentamos aqui. O interessante é que essa diversidade pode contribuir para aliviar os efeitos das quedas de preços e possíveis danos imprevisíveis em certa espécie, e estar pronto para competir no mercado quando os preços daquele produto aumentarem. Caso prefira trabalhar com uma espécie de cada vez, tenha cuidado para não escolher espécies muito semelhantes – e nessa situação, você estará sujeito a alterações do mercado.

Thiago Tadeu Campos é especialista em agricultura orgânica e consultor master em produção orgânica na empresa ImGrower. Um de seus principais hobbies é compartilhar conteúdo em seu próprio blog, cuja missão é fornecer material prático, atualizado e de qualidade sobre a produção de alimento orgânico e cultivo protegido.