Imagine tomar água por meio de uma bolinha transparente cuja estrutura, feita de algas marinhas, pode inclusive ser ingerida? Parece coisa futurística, mas já é real. Uma startup em Londres criou uma cápsula biodegradável na intenção de substituir as garrafas plásticas.

O produto é 100% feito de plantas e algas, biodegradável em quatro a seis semanas, além de comestível – podendo ser aromatizado e colorido. A Skipping Rocks Lab, desenvolvedora da ideia, ainda garante que a produção é mais barata em comparação ao plástico e, em relação ao PET, emite cinco vezes menos dióxido de carbono (CO2) e gasta nove vezes menos energia.

Tal invenção não poderia ter um nome comum: “Ooho”. Com ela, a startup garante que é possível “embalar” outros líquidos, o que inclui refrigerantes e cosméticos. Tornando a proposta mais interessante comercialmente.

A empresa afirma que o consumo de um recurso não renovável, como é o caso das garrafinhas, é totalmente insustentável. Ela salienta a quantidade absurda de resíduos gerados pelos recipientes que, normalmente, são usados uma única vez e logo depois descartados.

Desde 2014, a startup vem ganhando prêmios na área de tecnologia, energia e design. Por enquanto, este é o primeiro e único produto de embalagem de baixo impacto ambiental lançado. A startup também não possui uma produção em grande escala e vende seu produto principalmente em eventos.

Skipping Rocks Lab/Divulgação
Skipping Rocks Lab/Divulgação
Skipping Rocks Lab/Divulgação
Skipping Rocks Lab/Divulgação
Skipping Rocks Lab/Divulgação

Redação CicloVivo