Da sobra industrial sai a matéria-prima para Marcia Ganen dar forma às suas peças. A estilista e empresária baiana aproveita a fibra de poliamida, um resíduo que sobra do processo de fabricação de pneus, para fabricar rendas, tecidos e assim produzir as roupas de seu ateliê.

“É uma fibra técnica, não é têxtil, e é insumo utilizado para fazer a manta de pneu ou cinto de segurança. Eu iniciei uma pesquisa da utilização do refugo desta indústria, um material que não é usado porque está fora de especificação para pneus. Então, eu uso este material e reintroduzo na cadeira têxtil, inicia um novo ciclo de vida”, explica Marcia.


Foto: Ateliê Marcia Ganem

Assim, ela consegue produzir tecidos leves e diferenciados que ainda geram emprego para mais de 200 pessoas em comunidades tradicionais baianas. Além de aproveitar o insumo que iria para o lixo, diversas coleções ganham tingimento orgânico.

O ateliê surgiu em 1996 como um laboratório de pesquisa de materiais voltado para a moda. Hoje ela agrega bordados, rendas e produz peças até com pedras preciosas. Sendo que os seus vestidos são as peças de maior destaque, tendo até ganhado as passarelas.

A inovação e sustentabilidade de sua marca levaram ao reconhecimento internacional. Estados Unidos, Itália e França são alguns dos países que compram suas peças. 


Foto: Ateliê Marcia Ganem


Foto: Ateliê Marcia Ganem


Foto: Ateliê Marcia Ganem


Foto: Ateliê Marcia Ganem


Foto: Ateliê Marcia Ganem

Confira abaixo um vídeo do Sebrae sobre o trabalho da estilista:

Redação CicloVivo

Arquiteta e urbanista com formação em desenvolvimento sustentável pela University of New South Wales, em Sidney, Austrália. Fundou o CicloVivo em 2010 com a proposta de falar sobre sustentabilidade de forma divertida e descomplicada. Acredita que o bom exemplo é a melhor maneira de influenciar pessoas e que a simplicidade é a chave para vivermos em harmonia.