Os jovens do Projeto Compostar cuidam de um assunto muito delicado e problemático, o lixo. Aproveitando-se da brecha para empreender com lixo orgânico, o Projeto Compostar recicla e transforma em adubo os resíduos gerados nas residências e restaurantes de Brasília. Assim, os resíduos orgânicos que antes eram enviados aos lixões e aterros sanitários, agora podem ter destino correto por meio da compostagem.

De acordo com Lucas Moya, fundador do Projeto, a motivação surgiu enquanto ainda cursava a Universidade de Brasília. “Durante o curso de Engenharia Civil, fizemos uma visita ao Lixão da Estrutural, andando em cima de montanhas intermináveis de lixo. Aquilo me chocou, e decidi fazer algo para começar uma mudança em Brasília”, conta.

Como funciona?

Em residências: Cada assinante recebe um baldinho especial do Projeto Compostar, uma sacola compostável e instruções de separação. A partir disso, basta separar e descartar os orgânicos nesse baldinho, que é coletado toda semana pela empresa. Como recompensa, os apoiadores escolhem entre uma mudinha de hortaliça ou um um quilo de adubo por mês.

Em restaurantes e empresas: Ao aderir ao Projeto, a equipe do estabelecimento recebe um treinamento sobre separação de resíduos e como eles devem ser descartados. Os recipientes utilizados para armazenar os resíduos possuem fechamento hermético, evitando assim o mau cheiro, vetores e vazamento de líquido. A equipe do Projeto Compostar coleta os recipientes cheios, na frequência necessária para o estabelecimento, e entrega novos recipientes limpos e prontos para serem reutilizados.

Ao longo dos últimos meses, o Projeto Compostar reciclou cerca de 80 toneladas de resíduos orgânicos que seriam enviados para os lixões e aterros de Brasília. Mais de 1.200 mudas de hortaliças foram entregues, incentivando a economia rural e gerando um ciclo de sustentabilidade. O “lixo” orgânico que antes era descartado, agora é utilizado para nutrir um novo solo e produzir novos alimentos.