O estudante de Tecnologia em Construção de Edifícios, Danilo Acácio, dedica seu tempo a experimentar uma técnica artesanal de fabricação de tijolos do tipo solo-cimento. Por meio do projeto “Produção de tijolo ecológico”, ele busca difundir o método com a perspectiva social.

Aluno do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE), Acácio teve a ideia de iniciar os testes após participar de oficinas de bioconstrução. Agora, com a orientação do professor Carlos Régis Torquato, promove a popularização da fabricação de tijolos ecológicos. “Queremos difundir para a população que a fabricação de tijolos ecológicos envolve um processo simples e não prejudica o meio ambiente”, afirma.

Método

O tijolo ecológico do tipo solo-cimento é composto por uma mistura de solo arenoso, solo argiloso, água e cimento. A mistura é colocada em uma prensa, que dá forma e resistência ao material. Em seguida, o tijolo passa pela processo de hidrocura, quando recebe água durante sete dias. “Temos 30% de economia na obra, não produzimos o dióxido de carbono (CO2) porque não necessita da queima como o tijolo tradicional. Além disso, é mais durável e mais resistente”, destaca o estudante.

Custo

Enquanto o tijolo tradicional custa R$ 0,43, o tijolo ecológico sai por R$ 0,61). Mas o professor Régis salienta que durante a obra é usado menos cimento, por isso há uma diminuição do custo final. Ele acrescenta que a produção do tijolo tradicional também contribui para o desmatamento já que são utilizadas de oito a doze árvores para produzir mil tijolos.

Estudo

Os responsáveis pelo projeto já começaram a estudar outros resíduos da construção civil para usar como matéria-prima. Isso porque a construção produz uma grande quantidade de resíduos que são descartados de forma incorreta e ao mesmo tempo provocam sérios impactos ambientais. ”Além disso, temos a intenção de produzir uma máquina que aumente a produtividade porque a prensa hidráulica que usamos atualmente só produz um tijolo por vez, queremos pensar nessa máquina em parceria com os cursos de mecânica e automação”, explica Régis.

Para divulgar a fabricação dos tijolos ecológicos, Danilo aposta em oficinas. Ele já ministrou aulas para crianças de escolas públicas, jovens do Centro de Semiliberdade Regional de Juazeiro do Norte, crianças do orfanato e para a comunidade em geral. Por fim, a ideia é ensinar os participantes a fabricar esse tipo de tijolo, sempre relacionando a técnica aos conceitos da sustentabilidade.