As cidades tornaram-se grandes adensamentos populacionais, mas na época em que foram criadas não se pensou nas consequências deste modelo para a vegetação, as águas, os solos e as relações humanas. Para refletir sobre alternativas criadas para diminuir o impacto das pessoas na cidade, o Centro de Pesquisa e Formação do Sesc realiza o curso Permacultura urbana: novas formas de habitar a paisagem.

Além de discussões em grupo, serão visitados três espaços: a “Morada da Floresta” localizada no Jardim Peri Peri na zona Oeste de São Paulo; a “Casa do Alpendre” localizada no Jardim Rolinópolis também na Zona Oeste e por fim a “Casa Ecoativa” localizada no extremo sul de São Paulo no Distrito do Grajaú. O almoço é incluso em todas as visitas.

Com Estela Cunha Criscuolo, formada em geografia pela PUC-SP, hoje graduanda em Pedagogia pelo Instituto Singularidades. Atua como educadora em projetos socioambientais.

Com Morada da Floresta, desenvolvimento de projetos, soluções e tecnologias socioambientais para a diminuição de resíduos no Brasil e atividades voltadas à educação e conscientização ambiental.

Foto: Casa Ecoativa
Foto: Casa Ecoativa

Com Casa Ecoativa, projeto localizado dentro da APA – Bororé-Colônia na Ilha do Bororé. A iniciativa foi criada por moradores do extremo sul de São Paulo com a finalidade de promover agroecologia, bioconstrução e atividades culturais.

Com Casa do Alpendre, coletivo de pessoas que buscam por em prática os princípios da permacultura urbana, agroecologia e economia solidária nas suas relações de consumo e troca através da autogestão.

Para mais informações e inscrições, clique aqui.